Arquivo da categoria: Literatura

SAIA DA SAIA DA SUA MÃE.

Frequentemente, muitas pessoas me perguntam como é viajar sozinho? Se não bate um medo do desconhecido, de se perder, de ficar doente e muitas outras preocupações. No começo, sair da tão falada zona de conforto não é realmente fácil e pode assustar.

O fato é que, quando você quebra a casca do ovo e encara o desconhecido, existe algo bem maior acontecendo por trás disso. Estou falando do seu crescimento pessoal, da capacidade de contornar situações complicadas. Em uma escala menor, é como deixar a barra da saia da mãe pela primeira vez. Se lembra da sensação de liberdade que você teve a primeira vez que saiu sozinho para ir uma festinha na casa dos amigos do colégio? Não foi bom? Você não se sentiu dono do próprio nariz? Viajar sozinho é semelhante, mas em uma escala muito maior.

Quando eu comecei a planejar a minha primeira viagem internacional sozinho, foi assustador. Meu inglês era péssimo, tinha medo da imigração, medo de não saber chegar ao hotel, medo de não saber pedir um podrão no McDonalds. Parece besteira? Não para quem passa por isso pela primeira vez.

Uma coisa que sempre me ajudou a me sentir um pouco mais seguro, foi pesquisar muito sobre o lugar. Hábitos, costumes, como usar os transportes públicos, onde comer, como chegar aos pontos turísticos, mas algo que eu recomendo é fazer alguns caminhos pelo Google Street View. Sempre quando eu vou chegar a alguma cidade desconhecida, eu faço o caminho do metrô até o hotel pela ferramenta e quando eu chego, já é de certa forma familiar. Aquele medo de não saber para onde ir simplesmente não existe.

Viajando sozinho você é o senhor do seu tempo. Pode acordar mais tarde quando quiser, ou mais cedo conforme for. Pode passar horas apreciando um monumento ou vagando por um museu durante todo dia. Pode simplesmente se dar ao luxo de não fazer nada e ficar o dia todo num parque vendo a vida passar.

Bate uma saudade dos amigos, do namorado, da família? Sim, você vai ver a Torre Eiffel na sua frente e vai olhar pro lado e não vai ter um rosto amigo para comentar como ela é linda. Ou ver algo engraçado e rir sozinho, não vai ter com quem compartilhar aquele momento único. Talvez aquele momento seja só para você, e quando isso acontecer, encare como uma experiência sua. Mesmo que você compartilhe uma foto no seu Instagram, aquele momento único ainda vai ser só seu.

Nunca se sinta sozinho, faça amigos, compartilhe experiências.  O que você não pode fazer é deixar de viajar por não conseguir conciliar as datas com amigos ou namorado. Viajar junto é bom? Sim, sem dúvidas, mas viajar sozinho é um outra experiência e todo mundo precisa passar por isso pelo menos uma vez na vida.

E quando você quebrar a casca do ovo, vai perceber que foi mais fácil que você imaginava. Vai tomar gosto e não vai parar mais. O mundo é maravilhoso demais para ser visto apenas pela televisão.

TEXTO FEITO PELO BLOG VOUNAJANELA.

Anúncios

HOMENS E ANJOS

É lindo como um ponto brilha de forma intensa em praticamente todas as noites. Um brilho forte o suficiente para poder superar qualquer bloqueio visual (ou sentimental). Ela é da cor do tom, sabor e som que quiser ouvir. Ela controla o mundo, os grandes oceanos, e não pode ser tocada por ninguém, não quem quer fazer mal a ela, e não enquanto eu estiver por perto.

Ela viveu em uma relação ‘homoafetiva’, onde o seu maior amor tem um brilho tão intenso quanto ao dela, o que a faz brilhar toda noite. E ele é o calor, clarão e escuridão que te faz dormir.  Basta um pensamento em seu antigo e eterno cariño que a maior escuridão dentro da noite do azulinho que esta vagando em um espaço, fique iluminado, mas há um porém, sempre há. Ambos não podem dividir o mesmo espaço com tanta frequência, mas quando dividem, uma acaba eliminando o brilho da outra, mas por quê? A luz deveria vencer sempre a escuridão.

Ele vive parado, aguardando o retorno dela, mas ela tem suas asas para seguir um novo amor, um pontinho azul adoecido no meio do nada. O pontinho azul que se ilumina toda vez em que ela se pega em uma saudade, ô saudade malvada, malvada mas necessária. Uma parte dela é total escuridão, mas tudo tem dois lados. São como homens e anjos. Os caminhos dos 3 vivem a se encontrar, pode ser o destino, pode ser o acaso, mas cá entre nós, já aconteceu demais para ser “apenas o acaso“, e isso vai acontecer de novo.

Ela diz que toda decepção fez com que quisesse ficar só, longe de todo barulho dos parasitas da azulinha, e ainda mais longe do eterno brilho de seu antigo amor, mas ela não pode estar sozinha e em paz estando consigo e com sua mente barulhenta, cheia de ideias.

Ela dizia “as vezes minto, tentando ser metade do inteiro que sinto.”, e com isso sumia por alguns dias. O Sol ficava entristecido, ficava desnorteado e sempre ia em busca da sumida. Além do mais quem busca nunca é indeciso, e eu busquei quem sou. Ele para ela mostrou que não está sozinha nesse mundo.

Referências:

O Teatro Mágico

Fernando e Sorocaba

Jota Quest

PARABÉNS A MINHA CRIANÇA MAIS VELHA!

Vou tentar não contar a mesma história.

Di, és uma das pessoas mais fantásticas que já conheci, é carinhosa, é esforçada, é engraçada e tem um bom gosto musical. Como disse em uma música, o mundo inteiro pode dar a costa a você, mas você é esperta, sem dúvida nenhuma vai apertar o glutius dele. Brincadeiras a parte, se derem as costas a você, eu fico do seu lado com o nosso little órfão, sacomé.

Continue sempre com essa paixão que você tem pelo mundo e sem dúvida, será uma grande ambientalista. Espero que o pacto do grupo permaneça firme e forte e nunca deixemos de nos comunicar. Se tudo der certo, moraremos com os kiwi, e se der mais certo ainda, a gente vê, tipo, a gente vai ta no lugar mais lindo do mundo, já vai ter dado muito certo. :p

Desculpe por viver pedindo desculpas, mas é por boas razões. Magoar você, o Lê, Bia, ou qualquer outro alguém que eu goste por piadinha e comentário idiota é horrível. (hoje eu sei mais que nunca como é horrível)

Tu foi uma das melhores se não melhor amiga que já tive, mas não vem ao caso, só agradeço. Todo sucesso do mundo pra você, que possamos ter muitos bons momentos na nossa vida adulta. Parabéns pelos 18 garota, agora já podemos sair para um by night. Que meu ombro continue sendo um bom lugar para que você descanse e esteja “em paz”, te amo minha criança mais velha.

IMG-20150905-WA0004 Fazenda Ermida, 29 de Agosto de 2015 (0010) Fazenda Ermida, 29 de Agosto de 2015 (010) Jardim Botânico, 14 de Junho de 2015 (2) 11 23.3

Tirada com Lumia Selfie

12

UM SABOR BIPOLAR!

A culinária brasileira é uma mistura de cultura e ingredientes de índios, africanos, e europeus. Devido às grandes dimensões, e histórias um pouco diferentes quanto ao processo de colonização, as diversas regiões brasileiras possuem algumas diferenças marcantes e pratos típicos exclusivos. 

Ao me comunicar com a família que vive no exterior, a primeira coisa que eles se recordam ao falarem do Brasil, sem nenhum dúvida NÃO sou eu, infelizmente… Ou felizmente! Eles pensam na comida. A boa comida a moda brasileira. Brigadeiro, coxinhas, a tapioca, a feijoada, requeijão, a pizza que, segundo eles não existe igual…  eles pensam em uma cultura gastronômica rica para todos os gostos, comidas salgadas ou sobremesas doces.

Claro que, sou brasileiro, mas não é por isso que como essas delicias todos os dias. Não é bem assim, eu tenho uma bipolaridade em meu prato em todo santo almoço. Um marrom e branco, o arroz com feijão, em um estilo colonial. Mas não é só isso, no bom e rico prato vai de tudo, um pedaço de carne, vegetais, legumes, e é uma delicia encher o bucho dessa forma.

Cada região tem a sua especialidade! No Norte por exemplo, devido as florestas, rios e influência indígena, predominam as frutas, peixes e a mandioca. No Nordeste, o cocô que veio da Índia, o dendê, as buchadas de bode, os frutos do mar, o sururu! No Centro-Oeste, devido os grandes rebanhos de gado bovino há predominância dos pratos de carne, bebida com erva-mate, aves e caça do Pantanal, além do pequi, fruta do cerrado usada em vários pratos da região. Descendo um pouco mais, chegamos ao Sudeste, devido a sua característica cosmopolita há todos os sabores do mundo. No Rio de Janeiro, pode-se citar como típico a feijoada carioca, já em São Paulo o cuscuz-paulista domina. Em Minas Gerais, que tem uma rica e variada culinária, Tutu de feijão e carne de porco, sem contar as delicias derivadas do leite. No Espírito Santo, é muito famosa a moqueca capixaba. E se descermos ao Sul, por conta da imigração, há muita influência da cozinha italiana e alemã, entre outras. Com uma base em carnes, e lá, existe o mais famoso churrasco de todo o mundo, sem esquecer do delicioso chimarrão!

Quem mora longe do país não desmente, uma das coisas que mais faz falta é a comida que não nega a raça miscigenada que somos. Uma mistura que trás um pouco de tudo, dos nativos, dos europeus, africanos, e porque não, dos asiáticos… aqui tem de tudo. Venha para o Brasil e descubra. A cada passo que você dá, uma delicia diferente vai encantar a sua vida.

VOZES CALADAS

Podemos dizer que a ditadura na América do Sul, no período de guerra fria, foi um dos momentos mais sombrios das últimas décadas. Aqui no Brasil não foi diferente. Pessoas torturadas, sequestradas e assassinadas… Mas você acha que a ditadura começou em 1964?

A crise já vinha desde 1929, com a queda da bolsa de valores de Nova York tudo veio à tona, a inflação, a queda da economia do café, as crises da politica café com leite, que resultou em um governo “provisório” do gaúcho nacionalista Getúlio Vargas. Com reformas em seu governo “provisório”, Vargas ficou no poder durante 15 anos, com isso veio o incentivo ao rádio, diversas leis de censura às mídias (como o Departamento de Imprensa e Propaganda – o DIP -), direitos a trabalhadores, e leis um tanto quanto confusas, como a lei de destombamento. O presidente renunciou em 1945, e depois voltou anos mais tarde. Em 1951 o presidente voltou ao seu cargo em eleições diretas, e 3 anos mais tarde, se suicidou (ou foi morto?). [Confira aqui, a carta dele]

Não vem ao caso. O que importa, é o presidente que chegou em 1961, João Goulart e suas ideias socialistas em uma guerra fria.  A crise política se arrastava desde a renúncia de Jânio Quadros em 1961. O vice de Jânio era João Goulart, que assumiu a presidência num clima político adverso. O governo de João Goulart (1961-1964) foi marcado pela abertura às organizações sociais. Estudantes, organização populares e trabalhadores ganharam espaço, causando a preocupação das classes conservadoras como, por exemplo, os empresários, banqueiros, Igreja Católica, militares e classe média. Todos temiam uma guinada do Brasil para o lado socialista. Vale ressaltar, que neste período, o mundo vivia o auge da Guerra Fria.

Então, no dia 1 de Abril de 1964, João Goulart foi deposto e teve de fugir para o RS, e, em seguida, para o Uruguai. Desta maneira, o Chefe Maior do Exército, o General Humberto Castelo Branco, tornou-se presidente do Brasil. Com o auxilio dos Estados Unidos da América, e da operação Brother Sam, o país foi tomado por armas militares que chegaram direto do bloco capitalista (aviões, soldados, jipes, navios).

A ditadura trouxe consigo, a censura que Vargas pregou em seu primeiro mandato, o DIP. Músicos que protestavam contra o regime militar e a violência imposta por eles. Quem ousava dar de frente contra a ditadura recebia o “devido” castigo, eram torturados. Músicos perdiam suas ferramentas de trabalho, compositores levavam aquela surra que ninguém consegue esquecer, alguns tinham até a família caçada.

Muitos morreram ou sumiram com as perseguições, isso é fato. E Raul Seixas, na música Mosca na Sopa, cita de forma metafórica que, por mais que os militares matem, a espécie continua.

“…Pois você mata uma, e vem outra em seu lugar”.

Foi cruel, quem mais se manifestava pelo povo se reprimiu pelo medo, as músicas acabaram sendo cantadas por vozes caladas. Os militares destruíram duas gerações, em 30 e 60, eles “pintaram para lhe abusar”, com seu instinto primitivo de destruição em massa financiado por um país tão fraco mentalmente, que, mesmo fazendo diversos atentados terroristas diariamente contra o mundo, diz que o pior deles foi a queda de duas torres que eles mesmo causaram apenas para ter um motivo para investir em armamentos. (inocentes). Há muitos que vão as ruas pedindo uma nova intervenção militar, e eles são tratados com respeito. Agora, muitos também vão às ruas pedirem respeito, e são tratados como se estivessem em uma ditadura.


FOTOS DA VISITA TÉCNICA

Grupo
Grupo
Memorial da Resistência Pinacoteca
Memorial da Resistência
Pinacoteca
Controle, Repressão, Resistencia
Controle, Repressão, Resistência
Um dos quartos onde a
Um dos quartos onde a “oposição a ditadura” ficava.

11037554_1656793047866068_6175111841206872687_n

Meus amores.
Meus amores.
WP_20150913_009
Pegaram o meu bebê, para me ameaçar!

WP_20150913_008

Vanderley!
Vanderley!
Guilherme!
Guilherme!
O Cravo Vermelho. que foi distribuído para todas as celas.
O Cravo Vermelho.
que foi distribuído para todas as celas.

QUER MAIS DA DITADURA?

Conhecendo Museus

SuperInteressante Jogo

Mitos da ditadura

De Volta a 1964

Ditadura do Estado Novo

Trabalho de História

A DEMANDA DO MUNDO É AMAR

O mundo era tão lindo aos olhos de uma criança inocente, realmente, era…
Nesses últimos anos, o mundo esta se transformando, e não por culpa própria mas sim, por culpa dos humanos. Guerras, destruições em massa, desmatamento, exploração de bens naturais, corrupção… um caos só. Essa arrogância humana não é de hoje, infelizmente, esses péssimos adjetivos que definem alguns seres vem desde o inicio da nossa espécie.
Tais pecados foram “criados” para que alguns homens o excedam, pecam como se não houvesse amanhã. A luxuria, avareza, soberba, com o poder que tais empresários tem, por que não ajudar quem precisa? Em 2008 “novos pecados” foram inseridos pelo Vaticano, poluição, injustiça social, violações bioéticas… é ridículo o ponto em que chegamos. Ao meu ver, o egoísmo do homem forçou isso, muitos não fariam o bem se não tivessem em mente que “quando morrerem, serão recompensados com algum paraíso.”
Eles sabem que estão destruindo o mundo, destruindo vidas que não tem a menor chance de se defender. Destroem pessoas, animais, florestas, e diretamente o mundo. Devastam em massa tudo o que vêem pela frente, é constrangedor.
Isso não é ser humano, temos que lutar pelos direitos dos oprimidos, temos que defender a vida na terra, e não só por eles, mas por nós. A partir do momento que paramos de lutar uns pelos outros perdemos nossa humanidade, e quando deixamos de ser humanos, nos transformamos em monstros.
Podem me chamar de animal, irracional e etc., mas um animal irracional não poluem, não suja, não destrói, portanto, prefiro ser um animal “irracional”.
Por maior que seja a violência que existe no mundo, as pessoas que a praticam não entendem uma verdade, a demanda do mundo é amar.

FANFIC: HARRY POTTER, E A CAPIVARA FILOSOFAL!

Harry, Ron e Hermione estavam em mais uma excursão a Hogsmeade, tomando cerveja amanteigada no Três Vassouras. Saindo do bar, eles reparam que um quadro novo faz parte da decoração. É uma fotografia de um lugar que não se parece em nada com Hogsmeade. Mostrava um prédio, uma construção que lembrava um olho.
– Mione, você sabe que lugar é esse? – perguntou Ron.
– Sim, é… O Museu Oscar Niemeyer, que fica em Curitiba, lá no Brasil.
– Nossa, é tão… – ao tocar no quadro, Harry se dá conta, tarde demais, que se trata de uma chave de portal, que leva a essa tal Curitiba que Hermione mencionou e que Harry não conhecia.
Harry parou em frente ao prédio em formato de olho, atordoado. Era uma tarde de sábado, e algumas pessoas estavam por ali. Como todos olhavam torto por estranhar suas roupas, ele logo achou a loja do museu e vestiu uma camiseta de Curitiba.
– Você precisa de ajuda?
Uma menina com cabelos castanhos longos e olhos escuros que estava olhando cadernos se aproximou.
– Você parece perdido.
– Estou. Aqui é Curitiba?
– Sim, como você veio parar aqui sem saber onde estava? – disse, rindo. – Você vai comprar essa camiseta? Ela fica bem em você.
– Sim, mas… Eles aceitam galeões?
– Não, de onde você vem? Deixe que esse eu pago pra você, depois você me paga um lanche. Aliás, como é seu nome?
– Harry, Harry Potter. E você é?
– Me chamo Thais. Muito prazer. Então você não conhece a cidade?
Assim, perdido, Harry se deixou levar pela nova amizade de Thais, que começou a mostrar a região pra ele. Ficou sabendo a região do museu se trata do Centro Cívico, onde além de pontos turísticos também se encontram as sedes dos governos municipal e estadual. Conversaram sobre como a cidade funcionava, já que tudo era muito diferente do que Harry conhecia. Ele contou de Hogwarts, pois, apesar de Thais de ser uma trouxa e não conhecer magia, ele não achou que ela pudesse fazer algum mal.
– E se vocês não têm escola de magia, como funciona aqui? É como em Londres? – Harry quis saber.
– Não exatamente. Aqui em Curitiba, a Prefeitura cuida das escolas até o quinto ano. Tem escola que recebe até bebezinhos! Aqui pra cidade isso é muito importante, eu li que no ano que vem 30% do orçamento da cidade vai ser destinado pra educação.
– E você? Estuda numa dessas escolas?
– Não, eu já estou no Ensino Médio, que é pra quem já terminou o ensino fundamental.
– E vocês têm que passar o dia todo na escola? Vocês não dormem lá?
Thais riu.
– Não, Harry, aqui a gente só estuda meio período. Mas também tem várias atividades que a gente pode fazer pra se divertir. O Portal do Futuro, por exemplo, tem aulas de ginástica, de dança, e tem até cursos profissionalizantes de graça. É bem legal!
– Que nome legal. Seria bom ter alguma coisa diferente em Hogwarts, pra variar.
Depois de dar a volta no museu, eles chegaram a uma área verde, com muitas árvores.
– O que é esse lugar, Thais?
– Aqui é o Bosque do Papa. É da imigração polonesa, na verdade, mas ele tem esse apelido pela visita que o Papa João Paulo II fez uns anos atrás. Vem cá que ali tem uma lojinha com uns doces típicos maravilhosos!
Caminharam no meio de casinhas rústicas e de um jardim florido e compraram um doce folhado de creme. Enquanto comia o que se chama “kremówka”, Harry, impaciente, queria saber mais sobre a cidade.
– E temos vários lugares assim por aqui?
– Nossa, você não tem noção. Tem um monte de parque na cidade, pra tudo quanto é gosto. Desde parque com feirinha de comida no inverno a parque com pista de cooper em volta de lago pra você correr. Aliás, o pessoal adora correr em parque de manhã.
Eles continuaram andando por uma pista com várias sinalizações de bicicleta, inclusive com a passagem de vários ciclistas. Thais explicou que ali é uma ciclovia, uma das várias vias da cidade feitas exclusivamente para a passagem de ciclistas.
– Inclusive, recentemente Curitiba foi listada por um site americano como uma das dez cidades do mundo mais agradáveis pra pedalar!
– Que legal. Eu nunca mais andei de bicicleta, mas deve ser muito bom poder fazer isso sempre.
– Ah, é sim, eu inclusive sempre ando, é muito bom. De noite fica mais fresco, aí é uma delícia!
– Mas não fica escuro por aqui? Não é meio perigoso?
– Aqui é uma cidade como todas as outras, Harry. Sempre vai ter chance de dar alguma coisa errada. Mas por aqui é tão tudo bem iluminado que não dá pra sentir medo.
– Pelo menos aqui vocês não têm que lidar com dementadores fugidos, comensais da morte e horcruxes. Menos mal.
– Em compensação, a gente também não pode voar de vassoura ou de hipogrifo, piá.
– É, isso é uma pena. O que é piá?
Thais riu de novo.
– Piá é o jeito que a gente chama os meninos. Piá é menino, guria é menina.
– Valeu, guria. E esse prédio, o que é?
Eles tinham chegado num prédio colorido, não muito alto, com algumas bandeiras na frente, araucárias e duas rampas longas.
– Aqui é a Prefeitura. Ou Prefs, como a gente gosta de chamar. É aqui a sede de todas essas ações que eu te mostrei.
– Será que dá pra conhecer?
– Claro, até porque tem boatos de que tem uma lareira escondida aqui. Se você tiver pó de flu, você já tem um jeito de voltar pra casa.
Harry ficou surpreso por Thais conhecer o seu mundo.
– Obrigado! Acho que já vou, pra dar tempo de voltar pra Hogwarts com o grupo. Mas como você sabe de tudo isso?
– Eu tenho meus meios. Só nunca achei que fosse encontrar alguém com uniforme de Hogwarts no museu do olho. Achei que seria uma boa oportunidade pra conhecer um bruxo de verdade. Obrigada, viu?
– Obrigado você por ter me mostrado a cidade. E pela camiseta. Tenho alguns galeões aqui pra te dar de recordação, já que você não pode trocá-los por reais.
Thais agradeceu. A moça da recepção, após algumas perguntas de reconhecimento, indicou o lugar secreto em que ficava a lareira.
– Tchau, Harry, obrigada!
Harry, já dentro da lareira, agradeceu Thais e pegou seu pó de flu.
– Até mais, guria. Três Vassouras! – e jogou o pó ao chão.
Harry se viu de volta ao ambiente familiar do bar, e logo reencontrou seus amigos, que estavam extremamente preocupados.
– O que aconteceu, Harry?
– Dessa vez, vocês não vão nem acreditar.


A Fanfic da Prefs não faz parte da saga original escrita por J.K Rowling – você já sabia, mas a gente tem que informar mesmo assim Emoticon wink. A saga é composta pelos livros Harry Potter e a Pedra Filosofal, Harry Potter e a Câmara Secreta, Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, Harry Potter e o Cálice de Fogo, Harry Potter e a Ordem da Fênix, Harry Potter e o Enigma do Príncipe e Harry Potter e as Relíquias da Morte. Todos os livros estão publicados no Brasil pela Editora Rocco. E ler bastante nunca fez mal a ninguém!**

Texto retirado da página do facebook da Prefs.

EU ENCONTREI A FELICIDADE.

Eu encontrei a felicidade.

Encontramos as coisas quando menos esperamos, pode ser algo material ou imaterial. Mais tarde ou mais cedo nós encontramos, sem nenhuma dúvida. E o que encontrei hoje, estava bem na minha frente, bem abaixo do meu nariz. Era tão simples de tê-la pego para mim.

Hoje, sentado no banco do terminal de ônibus (o central), esperando o ônibus que me levaria até a escola qual estudo, e esperando também uma amiga que trabalhava lá por perto, enfim. Acabei ficando por visualizar 5 crianças, e essas 5 simples crianças me abriram os olhos. Elas brincavam com folhas de caderno amassadas, jogavam-a para o alto e se acabavam de tamanha felicidade!

É algo muito simples, a felicidade. Ela não tem forma mas tem conteúdo. Pode ser desde uma pequena roda musical entre os amigos, atraindo olhares e pessoas que você nunca terá visto antes, não importa, o que importa é estar lá, vivendo o momento e espalhando a sua palavra. Esquecer o passado que não pode ser alterado, e ignorando completamente o futuro que censura o nosso presente.

A vida pode até não ser como a gente gostaria que fosse, e as escolhas dos outros podem dar outro rumo para a vida, mas, não devo ficar abatido por nada no mundo, o melhor só vira, quando eu for atrás. O mundo é perfeito.

Só o sofrimento, humaniza as pessoas.

TODO SOPRO QUE APAGA UMA CHAMA, REACENDE O QUE FOR PRA FICAR.

Queridos professores, vocês não tem ideia da mudança drástica que fizeram em minha vida.

Começou no módulo III, onde eu estava MUITO cabisbaixo, meus avós estavam doentes, algumas pessoas partiram, alguns amigos antigos se afastaram.. acabei ficando bem desanimado com o curso de técnico em Guia de turismo.

Mas aí, veio o inicio do módulo IV, a primeira a chegar foi nossa querida Marjie Simpson (apelido que dei a ela, mas nunca contei), ela chegou junto de uma das professoras mais queridas que já tive, a Babs. Bom, Marjorie chegou, se apresentou, não deu aula, apenas foi introduzida pela professora que também a orientou quando se formou a alguns anos atrás. Ela me aconselhava com países e viagens, dizia que, se tivesse 18 e fosse eu, já estaria no Chile, vai entender.. hehe, me contou algumas de suas experiências fora do Brasil, ela é uma pessoa bem importante, pois na prática, ela sempre esteve lá.

O segundo a chegar a dar aula para a nossa turma, foi o César. Um professor que sempre me ensinou alguma coisa nova, todas as aulas. Todas as aulas aprendia (e muito) com ele, a forma que o mesmo tinha para passar informações para o grupo era espetacular, o maior jogador de Rugby do SENAC tinha paixão por aquilo que ele passava para nós (não era a bola do jogo, eram informações que nos ajudassem com o turismo) e era essa paixão que instruía o grupo a querer extrair tudo o que pudesse do seu conteúdo. Suas ultimas aulas tiveram destaque no curso, e aquela ultima onde montamos nosso mapa “3D”, foi sensacional.

E a ultima professora nova a apresentar-se ao grupo era moça que mora do lado da Monte Carlo, a querida Mariana. Sua matéria era história, mas poderia ter sido psicologa bem fácil. Enfim, não vem ao caso, Mar e Ana (e os demais ao qual o breve depoimento é direcionado) foi aquela que mudou e bastante o rumo do curso, ela fazia parte do grupo, sempre interagindo, contando as histórias, colocando a mim e aos meus colegas em momentos que mudaram o mundo, e também, me deu novas idéias sobre a história em geral.

Vocês 3 foram pessoas incríveis, e foram 3 das 5 que mais contribuíram ao meu aprendizado no SENAC, espero seguir com o curso e um dia poder aplicar na prático aquilo o que me ensinaram, e espero também poder ser um exemplo para meus clientes. Todo sopro que apaga uma chama, reacende o que for pra ficar, e não creio que o turismo caiu de balão na minha vida, e acho que vocês também não pensam isso. Vocês tiveram nas mãos grandes armas, seus alunos. E um deles vos escreve este depoimento para agradecer. Obrigado pelo balanço que deram, vocês são demais, e sempre que estiver lá na frente atuando, eu terei lembranças de vocês.

VENTO DE MUDANÇAS!

Quando eu era mais jovem eu tinha um sonho, o sonho de mudar as pessoas com a arte, com alegria, com a beleza que eu via o mundo diante dos meus olhos.

Desde criança sonho e levo comigo uma filosofia de vida onde, eu quero mudar o dia de pelo menos duas pessoas, com um sorriso, com um novo olhar para o mundo, e talvez por isso eu quisesse ser um fotógrafo, queria levar esperança, conhecer o mundo, as culturas, ajudar as boas pessoas e tentar entender o porquê de todos os conflitos.. eu queria ser o exemplo perfeito do super homem. Eu sei que ele (SuperMan) é jornalista e sei que ele não existe (ou existe?!), enfim, o caso não é esse. Sei também que as pessoas não mudam se não querem mudar, elas destroem as coisas por um prazer individual inexplicável!

Anos depois de uma bela infância, adentrei ao turismo para tentar contornar os pecados do mundo, que quando eu era criança, o julgava perfeito. Inocente, o mundo mudou, pessoas que se julgam espertas se dão bem as custas daqueles que se esforçam e isso é injusto, não permite com que eu siga minha velha filosofia, aquela que foi implantada em mim pelos meus sonhos.

Minha família é imperfeita por estar longe, e é perfeita por sempre estar aqui, meus amigos são imperfeitos por falhas humanas, mas são perfeitos por serem bons humanos… E tudo acaba se modificando, tudo se muda conforme o vento sopra, um vento de mudanças. É tudo é complexo, tudo se estende conforme você fica mais velho… Será que a criança que eu fui sente orgulho do “adulto” que eu sou? Quem sabe, ainda sou jovem, e tenho muito a viver (assim espero), não quero desperdiçar o meu relógio biológico ficando preso as coisas, eu tenho muito a fazer, eu tenho que mudar o modo que as pessoas negativas vêem o mundo, o mundo e seus ideais! E isso, pode ser para um bem pessoal, ou um bem geral.