Arquivo da categoria: França

O MOVIMENTO QUE A TERRA ESPERAVA

Queridos e extraordinários amigos da Avaaz,

Conseguimos! Apesar da proibição do que seria uma grande marcha em Paris, ainda assim quebramos o recorde do ano passado e fizemos a maior mobilização pelo clima da história! De São Paulo a Sidney, 785 mil pessoas fizeram o chão tremer em mais de 2.300 eventos em 175 países. Todos unidos em uma só voz, exigindo um futuro com energia 100% limpa para salvarmos tudo o que amamos. Estamos nas capas dos jornais no mundo todo e já podemos sentir o impacto na Conferência de Paris.

É quase impossível descrever a força e a beleza do que criamos, mas essas fotos nos ajudam a entender um pouco como foi:

Londres, Reino Unido

Este é o movimento que nosso planeta estava esperando.Muitos países, como Bangladesh e Irlanda, testemunharam as maiores mobilizações pelo clima de suas histórias. Na Austrália, 120 mil pessoas foram às ruas. Na Índia, 100 mil. Em Sanaa, no Iêmen, as pessoas saíram às ruas mesmo com bombardeios acontecendo por perto.

A partir do canto superior esquerdo, em sentido horário: Melbourne, Helsinki, Berlim, Jacarta, Bogotá, Amsterdã

Na França, mobilizações que reuniriam mais de 500 mil pessoas foram canceladas por questões de segurança, mas membros e a equipe da Avaaz reuniram mais de 10 mil pares de sapato, como símbolo das pessoas que gostariam de estar nas ruas – até o Papa e o secretário-geral da ONU doaram seus pares! Os calçados foram colocados na Place de la Republique, em Paris, às vésperas da Conferência do Clima.

Milhares de sapatos doados e encheram a Place de la Republique em Paris

As mobilizações tiveram grande cobertura jornalística, aparecendo em centenas de grandes veículos de comunicação e virando manchete da Al Jazeera e do New York Times.

O representante do Papa Francisco afirmou: “Hoje, o Papa está em espírito com centenas de milhares de pessoas, de mãos dadas com os pobres e com aqueles que buscam um tratamento justo quanto aos efeitos climáticos.”

Em seu discurso para os líderes mundiais na manhã de hoje, Ban Ki-moon, o secretário-geral da ONU, reforçou: “Os povos do mundo também estão tomando a iniciativa. Eles foram às ruas de cidades ao redor do mundo todo, organizaram mobilizações enormes pedindo por mudanças… e esperam que cada um de vocês responda à altura. A História pede ação.”

E Christiana Figueres, chefe das negociações do clima da ONU, nos agradeceu e anunciou: “Estou colaborando com a Avaaz na instalação de um telão para que a voz do povo seja ouvida. Todos os negociadores poderão ver o quão forte é o apoio a um acordo sobre o clima que proteja nosso planeta, a casa de todos nós.”

Clique para ver mais imagens do dia e mensagens de quem estava lá

Hoje começa a Conferência do Clima. Durante anos, os políticos nos disseram: “Prove que as pessoas se importam e então tomaremos uma atitude”. No fim de semana, mostramos a eles que o mundo inteiro quer um acordo por energia 100% limpa. E agora, um vídeo em que fazemos essa exigência está sendo exibido enquanto os chefes de Estado entram no prédio da conferência. É impossível que nos ignorem, ou que ignorem nosso apelo: a equipe da Avaaz está na conferência e levará nossas vozes aos negociadores sempre que alguém tentar enfraquecer o acordo.

Neste fim de semana, nosso movimento alcançou outro nível. Nas próximas duas semanas, vamos continuar mostrando essa força sempre que for necessário. Vamos manter a bandeira da esperança hasteada e sacudir a conferência até chegarmos a um acordo que proteja nosso futuro.

Um abraço com muita gratidão e determinação,

Emma, Alice, Luis, Ricken, Ben, Mais, Dan e toda a equipe da Avaaz

PS: Clique aqui para ler o editorial que o Ricken escreveu sobre este momento e sobre como ele representa um teste para toda humanidade (em inglês).

Milhares de membros da Avaaz enviaram fotos e vídeos sensacionais dos eventos ocorrendo em todo o mundo. Pelas próximas duas semanas, essas imagens serão projetadas em um telão na conferência, que será visto pelos governantes e negociadores todas as vezes em que entrarem e saírem do prédio.

É POSSÍVEL ESTUDAR NA EUROPA PAGANDO POUCO?

Quando pensamos em estudar no exterior, a primeira coisa que vem em mente é a questão financeira. Se estudar no Brasil já é caro, mesmo estudando em universidade pública, é difícil pensar que o sonho de estudar no exterior possa se tornar realidade. Se esta era a sua principal preocupação, conheça algumas universidades que oferecem cursos pagando apenas uma taxa administrativa.

Alemanha

Este é um dos principais países que atraem os estudantes, e um dos principais motivos é que as universidades públicas exigem apenas o pagamento de uma taxa administrativa (que varia entre 150-250€). A taxa é a mesma aplicada para alemães e para os estudantes estrangeiros. Além disso, a qualidade de ensino das universidades públicas alemãs não deixa nem um pouco a desejar. Algumas delas, como a universidade Heidelberg, figura entre as mais conceituadas.

Entre as cidades mais procuradas pelos estudantes, estão Munich e Berlim. Além de proporcianarem um grande leque de opções, são consideradas também as cidades mais baratas para os estudantes.

Leia também: Como os estudantes estrangeiros se mantêm no exterior

França

A França é um país conhecido pelos estudantes. As 13 universidades públicas francesas contam com uma vasta opção de cursos, e algumas delas são bastante conhecidas internacionalmente, como a Sorbonne. Se compararmos a taxa cobrada pelas univeridades francesas e as écoles, a diferença é bastante grande. As taxas adminstrativas por ano custam a partir de 180€,  dependendo do curso e do nível do diploma. Outras taxas como a securité sociale geralmente são pagas no momento da inscrição.

Mesmo se a maioria dos cursos é ministrada em francês, o número de cursos ministrados em inglês tem aumentado. E se o custo de vida em Paris é alto, como a sua grande diversidade de cursos e opções de moradia, ela continua sendo o destino mais procurado pelos estudantes estrangeiros.

 

Noruega

É possível estudar na Noruega independente da nacionalidade de graça. No nível bacharelado, a grande maioria dos cursos é ministrada em norueguês e é preciso provar ter o domínio do idioma para ser aceito. No nível mestrado/doutorado já é mais comum encontrar cursos ministrados em inglês.

Confira: Como se candidatar para um mestrado na França

República Tcheca

Se você saber falar tcheco, você pode estudar de graça em qualquer universidade pública do país. Cursos ministrados em inglês variam e pode custar a partir de 1,080 dólares o semestre. O custo de vida é mais em conta se comparado com outros países listados acima.

Outros países

Se você tem um passaporte europeu, existem vários países da Europa que oferecem estudos gratuitos (como a Grécia) ou a um preço reduzido (como a Áustria, Espanha, Itália, e Bélgica). Existem ainda países como a Índia e Taiwan em que a taxa anual para estudantes estrangeiros (independente do país) é entre 1200 a 3000 dólares anuais. O preço é baixo se comparado com o preço das instituições privadas.

 

Matéria feita pelo site guia do estrangeiro.

 

CONHEÇA A REGRA DA GORJETA EM 15 PAÍSES AO REDOR DO MUNDO.

Dependendo do lugar onde você queira passar suas férias/ou viagens, dar a gorjeta pode ser sinônimo de ofensa, assim como pode ser opcional ou obrigatório.


De acordo com o site inglês Mirror, uma a cada quatro pessoas está gastando mais de 65 libras, a cerca de R$ 220, por dar mais gorjetas do que o necessário, de acordo com um estudo encomendado pela agência de câmbio Travalex. (ENG)

Em uma viagem de sete dias pela Espanha, um família pode dar até 40 libras (R$ 135) em gorjetas extras pelos jantares. Já na Croácia, este número pode aumentar até dobrar.

O problema, segundo a pesquisa, é que 70% das pessoas não sabem quanto devem dar de gorjeta em diferentes países e também a maioria delas não carrega dinheiro trocado e acaba dando notas de valores altos como gorjeta.

“Dar gorjeta pode ser um problema por causa das diferenças culturais entre os países. Na Alemanha, por exemplo, o dinheiro extra deve ser entregue pessoalmente ao garçom, enquanto no Japão entregar uma nota aberta pode ser um enorme insulto”, explica o especialista em câmbio Noel Goddard.

Segundo ele, independente do país, o turista nunca deve pedir troco quando ele não for dado espontaneamente e também garantir que está levando notas de baixos valores, além de moedas, para não gastar mais do que o necessário.

Veja abaixo as regras de alguns países que o The Mirror listou:

Turquia: os restaurantes mais simples, incluem de 5 a 10% nas contas e, os de luxo, somam entre 10 e 15% no valor consumido. Nos hotéis, deve-se dar cerca de R$ 1 para cada pessoa que prestou serviço. Em táxis e bares, as gorjetas não são esperadas.

Estados Unidos: os garçons e garçonetes sempre esperam gorjeta, então entre 15% e 20% é o valor ideal. Pagar 25% mostra que o serviço foi muito satisfatório, mas não dar nenhuma gorjeta, você corre o risco de ser acompanhado até a porta do restaurante por um garçom muito infeliz esperando saber o que eles fizeram de errado com o turista. Nos bares, dê US$ 1 por drinque, a mesma regra vale para os taxistas, desde que a corrida seja pequena, e também para os trabalhadores dos hotéis por cada bagagem carregada.

Austrália e Nova Zelândia: por lá, os trabalhadores são muito bem remunerados por isso dar gorjeta não é uma prática vista com bons olhos. Mas, se receber um atendimento excelente, tente pagar 10% extras e provavelmente verá o garçom ficar desconfortável em pegar o dinheiro.

França: de acordo com a lei francesa, os restaurantes adicionam 15% do valor consumido na conta, mas os garçons ficam felizes com alguns trocados extras também. Em táxis, bares e hotéis, a lei não se encaixa, mas as pequenas gorjetas são bem vindas.

Japão: a gorjeta não é grande coisa no Japão, já que eles se orgulham em oferecer serviços de alta qualidade. Assim, dar dinheiro extra pode ser rude e, geralmente, só os guias de turismo aceitam, mas nunca esperam.

China: dar gorjeta na China pode ser muito ofensivo em alguns lugares. A prática é historicamente ilegal e, em algumas regiões, ainda é. Em áreas rurais, o turista pode causar pânico ao dar dinheiro extra. Mas, excepcionalmente, os guias de turismo aceitam gorjeta de cada uma das pessoas no tour e, às vezes, presentes também podem ser dados.

Áustria: o serviço normalmente vem incluído na conta e custa 10% do valor consumido. Uma dica boa pode ser sempre aproximar os preços: por exemplo, se a conta dá $5,50, pague $6. Nos táxis, o ideal é 10% de gorjeta e, nos hotéis, pague $1 euro por cada mala.

Croácia: dar gorjeta é apreciado, mas não é uma regra, nem os trabalhadores esperam por ela. Por isso, ofereça o troco como dinheiro extra e, nos restaurantes, 10% é o ideal.

Grécia: a gorjeta é opcional e normalmente eles não esperam recebê-la. Sendo assim, em bares, táxis e hotéis, é uma decisão de cada turista dar ou não uma pequena quantidade extra de moedas. Nos restaurantes, o serviço vai junto com a conta, mas é educado dar um pouco mais.

Itália: os restaurantes incluem 10% na conta, mas bares, taxistas e porteiros de hotéis não as pedem, mas sempre aguardam por uns euros extras.

Espanha: nos restaurantes, além do serviço, incluir 5 ou 10% em dinheiro é sempre esperado. Em bares, deve-se dar $0,20 de euros por drinque consumido e, nos hotéis, dê sempre $1 euro por bagagem carregada ou por serviço prestado no quarto. Os taxistas não esperam gorjeta, por isso, fique à vontade para decidir.

África do Sul: é quase obrigatório dar gorjeta neste país, visto que é uma demonstração de gratidão pelo serviço prestado, no entanto a quantidade de dinheiro extra não é importante.

Egito: as gorjetas são muito apreciadas e as pessoas preferem ganhar em dólares do que na moeda local. Mesmo depois de dar 10% como extra, o turista pode ainda ouvir reclamações, mas não se sinta pressionado a dar mais, porque este é um costume local.

Índia: a gorjeta é culturalmente importante por lá, já que os ricos costumam ser generosos com os menos favorecidos. Não esqueça de dar dinheiro extra para porteiros, empregados do hotel e taxistas.

Cingapura: eles desencorajam dar gorjetas em hotéis, atrações turísticas e até em restaurantes, isso porque muitos moradores locais não dispõem de dinheiro extra, mas turistas normalmente têm mais verba, por isso, em algumas ocasiões, pode-se dar 10% nos restaurantes.


Imagem ©

Noticia – Terra

IMAGINE UM MUNDO SEM TERRORISMO. #OPINIÃO

E mais uma vez, vimos uma série de atentados terroristas, dessa vez, na França!

É tudo em nome de um ser divino, de uma religião. Acertar quem é diferente e quem discorda da minha ideia de vida já esta se tornando motivo para cometer crimes contra a vida, contra a sociedade e contra a paz.

O medo mais uma vez pode começar a calar aqueles que tem algo a dizer, pode novamente fazer o mundo voltar a olhar religiosos com certo preconceito, tornando muitas pessoas ignorantes pela falta de informação, afinal, “3” (Foi ironia, são milhares/milhões) pessoas não podem manchar o nome e a fé de outros milhões.

Como dizia o J. Lennon

Imagine que não houvesse nenhum país! Não é difícil imaginar. Nenhum motivo para matar ou morrer, e nem religião, também.

Ninguém, por hipótese alguma, pode ser censurado ou morto por expressar uma opinião, espero que isso um dia acabe, esses conflitos, e vocês, não vingaram ninguém, apenas desonraram o nome de muitos.

Imagine as pessoas, vivendo a vida em paz.

Segue aqui alguns cartuns (cartoons) em resposta a atentados.