MÚSICA DO DIA

Wake up
Grab a brush and put a little makeup
Hide the scars to fade away the shake up
(Hide the scars to fade away the shake )
Why’d you leave the keys up on the table?
Here you go create another fable

(You wanted to)
Grab a brush and put on a little makeup
(You wanted to)
Hide the scars to fade away the shake up
(You wanted to)
Why’d you leave the keys up on the table?
(You wanted to)

I don’t think you trust, in, my,
Self-righteous suicide,
I, cry, when angels deserve to die

Wake up (wake up)
Grab a brush and put a little makeup
Hide the scars to fade away the shake up
Why’d you leave the keys up on the table?
Here you go create another fable

(You wanted to)
Grab a brush and put on a little makeup
(You wanted to)
Hide the scars to fade away the shake up
(You wanted to)
Why’d you leave the keys up on the table?
(You wanted to)

I don’t think you trust in my
Self-righteous suicide,
I cry, when angels deserve to die
In my self-righteous suicide,
I cry, when angels deserve to die

Father (mother)
Father (brother)
Father (father)
Father (fuck you)
Father into your hands, I commend my spirit
Father into your hands, why have you forsaken me?
In your eyes, forsaken me
In your thoughts, forsaken me
In your heart, forsaken me

Oh, trust in my, self-righteous suicide
I cry when angels deserve to die
In my self-righteous suicide
I cry when angels deserve to die

CANÇÃO: CHOP SUEY

CANTOR: SYSTEM OF A DOWN (S.O.A.D.)

COMPOSIÇÃO: DARON MALAKIAN, SERJ TANKIAN


VÍDEO

https://www.youtube.com/watch?v=qPXZn-i5z4M


ANÁLISE

Um tanto quanto controverso. Essa letra pode gerar diversas discussões quanto a sua letra. Tal como o “I Cry when angel deserve to die“, que para muitos foi uma previsão do 11 de Setembro (Onde diversos inocentes morreram).

Outros podem sugerir que se refere a bíblia “I don’t think you trust In my self righteous suicide” onde há quase uma transcrição do que teria sido dito por Cristo na hora de sua crucificação, mas esse “diálogo” também se refere à falta de confiança quando diz que não confiam no suicídio dele. Ou, como disse, a falta de confiança (e mentiras) ditas por pessoas “depressivas”, como no trecho “Here you go create another fable”, onde incita que alguém não tem a capacidade de dizer a verdade.

Mas ao meu ver, essa música pode se tratar sobre o bullyng. Por que o bullyng? O Bullyng é um problema gravíssimo nos EUA, e milhares de crianças se matam pela depressão de não serem aceitas. Como quando é dito:

“Pegue uma escova e coloque um pouco de maquiagem
Esconda as cicatrizes para disfarçar os espantos”
   A Maquiagem seria para tapar as cicatrizes que os anjos causam a si próprio nos pulsos.
“Eu choro, quando anjos merecem morrer.”
   Anjos = Pessoas inocentes, pessoas boas que sofrem e tiram a própria vida.
E em um dos últimos trechos, quando ele chama por seu pai, sua mãe, e depois solta um f*d*-s*, pode significar que, a pessoa pediu, implorou por ajuda, mas ninguém recorreu a ela, e isso pode ser o fim.
Bom, cada um faz sua análise, ao meu ver, a minha esta bem coerente.

ROTEIRO SUDESTE

ROTEIRO

INTRODUÇÃO

Como solicitado, foi criado um roteiro onde vários aspectos eram envolvidos, sendo eles geográficos, gastronômicos, históricos, entre outros. Serão visitados parques estaduais, restaurantes, cidades históricas, cidades modernas e muito do que há de bom na região sudeste do Brasil.


  1. ESTADOS QUE IREMOS PASSAR

ESPIRITO SANTO, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO, MINAS GERAIS.


  1. CIDADES e PONTOS:

Espirito Santo

Parque Estadual de Itaúna – Conceição da Barra (UNESCO)

Vitória (HISTÓRIA)

Parque Estadual da Pedra Azul (GEOGRÁFICO)

Rio de Janeiro

Cinelândia (HISTÓRICO)

Copacabana/Ipanema (LAZER/GASTRÔNOMICO)

Niterói (ALTERNATIVO A COPACABANA)

São Paulo

São Luiz da Paraitinga (HISTÓRICO)

São Paulo (GASTRÔNOMICO/LAZER)

Socorro (PARQUE)

Minas Gerais

Serra da Cantareira (Panorâmico) (GEOGRÁFICO)

Belo Horizonte (HISTÓRICO/GASTRÔNOMICO)


  1. ELABORAÇÃO

O Roteiro começa no estado do Espirito Santo, dia 27 de dezembro. No primeiro dia, daremos o pontapé inicial. Lá teremos um dia bem tranquilo no Parque Estadual de Itaúnas, que é um bem da humanidade e tombado pela UNESCO. Faremos um picnic para a integração do grupo e algumas atividades onde todos possam participar, além de algumas explicações de profissionais que fazem a catalogação de espécies. Tudo isso em uma tarde ensolarada.

1469167164_b43fa1c9b1_b

Já no final da tarde, vamos nos preparar para ir durante a noite para a capital capixaba, Vitória. (Ônibus por 54.70 R$)

No segundo dia, chegaremos em Vitória. Iremos ao projeto Tamar no período da manhã para ouvirmos uma palestra sobre o quão importante é a preservação das espécies. Após a palestra, iremos degustar uma saborosa  moqueca de camarão, típico da região capixaba e baiana. Após o almoço, já por estarmos próximos de alguns pontos da praia, iremos ao teatro glória, e andaremos por mais quatro KM para chegarmos ao Basílica de Santo Antônio, uma das igrejas mais belas e calmas da cidade, excelente para “encontrar sua paz interior.”

henrique_filgueiras_projeto_tamar

Na noite do segundo dia, no saguão do hotel, será feita uma sugestão para que os clientes visitem o Parque Estadual da Pedra Azul, um parque muito bonito, um passeio que pode ser monitorado.

O terceiro dia será livre. Porém, no período da noite, iremos de ônibus para o sul, para chegarmos ao estado do Rio de Janeiro e pouparmos o dinheiro da hospedagem, assim ganhando tempo para poder ir a virada de ano em Copacabana. (ônibus por 90,00 R$ executivo)

parque-estadual-da-pedra-azul

No quarto dia, 31 de Dezembro, iremos chegar por volta das 8 horas da manhã. Faremos uma parada para café da manhã, no Amarelinho (Cinelândia), um bom lugar para café e com um preço mais acessível. Ainda no período da manhã, por estarmos na Cinelândia, será possível visitar prédios como o Teatro Municipal, símbolo da Belle Époque na cidade, além do Museu de Belas Artes e até pérolas como o Teatro Rival, por onde já passaram artistas como Dercy Gonçalves, Grande Otelo e Oscarito. No horário do almoço, nada melhor do que um bom almoço não é? Então, iremos a Ipanema, e almoçaremos na churrascaria Fogo no Chão, um lugar para comermos sem pressa alguma e apreciarmos a vista. Após o almoço, uma visita à praia de Copacabana que deverá estar se preparando para a queima de fogos que ocorrerá a meia noite.

reve

No quinto dia 01 de janeiro teremos um dia tranquilo para aproveitar as belezas naturais do Rio de Janeiro, após uma virada do ano inesquecível, sugerimos uma ótima opção de descanso e encantamentos na cidade de Niterói, um roteiro alternativo para o turista que quer conhecer bem mais do que Copacabana, a ideia seria que em Niterói os turistas conhecessem pela manhã o Forte de Santa Cruz, que participou de momentos importantes de nossa história, impedindo invasões francesas e holandesas. Enquanto presídio recebeu figuras ilustres como José Bonifácio, Bento Gonçalves e Euclides da Cunha. E o museu de Arte contemporânea, projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, o MAC tornou-se um dos cartões-postais de Niterói. Destina-se principalmente a obras pertencentes à arte contemporânea, todas datadas ao decorrer do século XX. Apresenta desde artes abstratas até obras retratando a ilusão da Monarquia Brasileira.  Para após o almoço todos se encantassem com a praia mais bonita do estado do Rio de Janeiro a Praia de Camboinhas, com areia branca, águas cristalinas e com pouca visitação por ser uma praia conhecida apenas pelos amantes de praias cariocas, ficaremos na praia até de noite aonde acontece um lindo Luau no quiosque da tia Lucia.

niteroi_03

Ao chegar dia 02 de janeiro nosso sexto dia, saímos da cidade maravilhosa com destino a cidade do folclore, São Luiz do Paraitinga com uma trilha pelas 7 cachoeiras, um belo lugar, para descansar com belas paisagens e um cenário relaxante. São sete cachoeiras para se visitar, em uma trilha de esforço médio, após um bom banho no hotel e um descanso após o almoço começamos o nosso roteiro histórico na cidade aonde conheceremos Capela Nossa Senhora das Mercês, a casa de Oswaldo Cruz, lugar que virou um museu na cidade, Mercado municipal e a Fazenda São Luís para fecharmos com chave de ouro com grandes histórias e grandes curiosidades, já no final da tarde vamos para São Paulo ter um jantar típico de Paulista, vamos comer pizza, saborear um dos melhores pratos de São Paulo.

Foto: Diogo Moreira/A2 FOTOGRAFIA
Foto: Diogo Moreira/A2 FOTOGRAFIA

  Sétimo Dia, teremos um dia diferente em São Paulo, bem eclético e divertido com muitas comidas, música, história e lazer. Para começarmos com o pé direito, e uma aventura na casa de pedra aonde é localizado o maior ginásio de escalada esportiva do país, com paredes de 14m de altura e mais de 100 vias de escaladas guiadas. Uma ótima sugestão para depois de gastarmos tanta energia, repô-las comendo um tradicional Sanduíche de Mortadela, ou um almoço paulista no próprio mercadão. Após o almoço, vamos conhecer o museu da voz e o choque cultural, dois museus com propósitos bem diferentes que irão deixa-los curiosos para saber mais sobre o local e suas exposições.

10169267_993559763994276_4114045776433447545_n

Já no final do dia, faremos o esquema de sempre. Pegaremos um ônibus no final da tarde e seguiremos para a cidade de Socorro, pertencente ao circuito das águas paulistas e conhecida nacionalmente pelo turismo acessível (28,90R$). Poderemos tambem observar a serra da cantareira em SP dentro das 2h35 de viagem. Chegaremos ao final da noite e nos hospedarem no hotel fazenda “Parque dos sonhos”. Por ter feito uma reserva com antecedência, os clientes ganharam um desconto de 10% do hotel, em um pacote all inclusive. (435,00 R$)

O Oitavo e nono dia irá ser livre para que os clientes desfrutem dos esportes de aventura que o Parque dos sonhos proporciona. Assistirão  a uma palestra de empreendedorismo do dono do hotel e farão de tudo por lá. (Claro opcional)

Foto tirada por Marjorie Sanches.
Foto tirada por Marjorie Sanches.

No décimo dia, sairemos de Socorro e pegaremos um ônibus de madrugada para BH. (56.40 R$). Chegaremos no horário das 10h35, e, os guias irão fechar o ultimo pacote da viagem que será uma surpresa. DIA LIVRE

No décimo primeiro dia, acordaremos um pouco mais tarde para ter pique para os dois próximos dias. Sairemos no horário do almoço, e lá iremos provar uma comida típica, Frango com quiabo. No restante da tarde, aproveitaremos os principais pontos turísticos da cidade, o Parque Municipal Américo Rennée Gianetti , Museu de Artes e Ofícios, Complexo de Pampulha.

pampulha_belho-horizonte_cristiano-mascaro-2008_820_a

No décimo segundo dia, iremos comer um bom pão de queijo no desjejum e faremos um tour completo pelo belo estádio Mineirão no horário da manhã. No horário do almoço, comeremos em um restaurante a beira da estrada e a tarde, uma trilha até o pico de BH para encerrarmos bem o nosso roteiro de 12 dias.

COMIDA: VIVIR VS MORIR

Los mejores momentos que se convive con familia, amigos/amigas y pareja son durante el desayuno, comida o cena

en el cual compartimos y expresamos nuestros sentimientos y emociones, acompañados de grandes manjares (aunque sea una orden de tacos de suadero y un refresco) que podemos disfrutar por su sabor y  textura.  En la actualidad, vivimos en un mundo que gira a gran velocidad cuyos medios masivos de comunicación establecen que está bien y que está mal dentro de la sociedad;muchas veces no podemos disfrutar de los pequeños detalles o mejor dicho de las hermosas bendiciones que la vida nos da : Comida.
¿Por qué me refiero a la Comida?
La comida son un conjuntos de productos que provienen de la naturaleza (Plantas y animales) que permiten satisfacer la necesidad básica llamada el hambre, pero al vivir bombardeados de un estereotipo donde la mujer es alta, hipermegadelgada; los hombres altos con barba y con músculos, comenzamos a creer que debemos estar así tanto para llamar la atención y sobre todo obtener la aprobación social, y muchas personas jóvenes se someten a dietas rigurosas (comer pura ensalada, tomar pastillas para adelgazar, beber solo agua, provocarse el vómito, entre otras técnicas) que al no atenderse a tiempo llevan a a la muerte. Otro caso son las personas  jóvenes que sufren de obesidad ,donde algunos casos utilizan la comida como refugio de sus problemas, tienden a ser comidas con gran cantidad de grasas saturadas, comida chatarra.
Historia dentro de mi contexto social como mexicana:
Los mexicanos no tendemos a ser tan altos donde las estaturas llegan a ser 1.40  metros hasta de 1.80 metros cuya complexión es regular; es decir ni tan delgado/a ni tampoco robusto/a. México es el país que ocupa el primer lugar en Obesidad, dentro del país existe un incremento de muerte por anorexia, bulimia y también obesidad entre los jóvenes que presentan trastornos alimenticios.
Cuando iba en el tercer año de secundaria conocí a una chica que se volvió mi gran amiga por mucho tiempo, cuando ella era niña sufrió bullying por tener exceso de peso, por lo que al llegar a la adolescencia se comenzó a privarse de los alimentos, realizar dietas la presión de su madre que la comparaba que a la edad de ella era delgada y con curvas, por lo que la mamá le exigía perder peso.
Al cumplir mi amiga  16 años, su mamá y ella comenzaron a inyectarse para bajar de peso, sin embargo mi amiga subía y bajada de peso a cada rato, por lo que dos años después se hizo lipo.
Cuando entró a estudiar la carrera, tuvo que cambiarse debido a que empezó  a tener problemas del corazón ( taquicardia) y dos años mas tarde fue hospitalizada. Ahora ella se encuentra bien, aunque por los caminos que cada uno tomó la amistad ya no es tan fuerte como antes.
¿Morir o vivir?
Morir por no comer, morir porque la comida que se encuentra dentro de tu organismo no ayuda al funcionamientos de diferentes sistemas de los que el cuerpo humano esta integrado o vivir comiendo de forma equilibrada sin tampoco privarte de los antojos (pizza, pastel, pan, tacos). Vivir  puede ser un concepto complejo pero no es complicado de entender; consciente de tu propia existencia y como dirigirla hacia un camino que te permita ser quien eres y disfrutar la naturaleza, el amor que existe entre familia, amigos, hijos, caerse, levantarse, aprender, empezar de nuevo, llorar, reír, luchar, triunfar, etc. La decisión de disfrutar  la vida es solo tuya ser, tu mismo o una máscara.

ROTEIRO E RELATÓRIO VT SANTOS – 22/08/15

Casa do Trem Bélico

Uma das poucas edificações militares antigas existentes no País e o mais antigo prédio público de Santos, a construção é um exemplo da arquitetura colonial de época. Acredita-se que tenha sido construída entre 1640 e 1646, mas sua existência só foi comprovada documentalmente em 1734. Neste espaço foi erguido o primeiro pelourinho da cidade. O imóvel, que abrigava as armas e munições para proteção da então Vila de Santos, recebeu em 1948 o Tiro de Guerra, funcionando posteriormente como escola, seção de alistamento eleitoral, Serviço de Subsistência do Exército e Centro da Juventude. O nome decorre do sentido popular da palavra ‘trem’, que significa ‘diversos materiais’.

Tel: (+55 13) 3299-5471

Equipamento com acessibilidade para portadores de necessidades especiais

Fonte: http://www.turismosantos.com.br/ptb/guia-de-santos/locais/ir/atracoes-em-santos/centro-historico/casa-do-trem-belico


Monumento a Brás Cubas

Localizada no Centro Histórico, a Praça da República é um dos logradouros da cidade repleto de referências à história de Santos, desde o momento de sua fundação até a proclamação do movimento que lhe deu o atual nome, liderado pelo marechal Deodoro da Fonseca e que completa 113 anos nesta quinta-feira (15). O Segundo reinado, sob o governo de D. Pedro II, já mostrava sinais de desgaste devido a vários fatores, como a vitória dos militares na Guerra do Paraguai, o fim da escravatura e o crescimento de setores progressistas, com a adesão de comerciantes, estudantes e artistas, que visavam maior participação política nas decisões do país. Um grupo de militares, que incluía o marechal Floriano Peixoto, se reuniu e na citada data – uma sexta-feira – na cidade do Rio de Janeiro, então capital do Império, proclamaram a República, na praça da Aclimação, rebatizada posteriormente para Praça da República. Aliás, após a vitória do movimento, os republicanos fizeram questão de marcar a nova ordem dominante, alterando o nome de ruas e logradouros públicos. Em Santos, a Rua Direita se tornou a Rua XV de Novembro, e a própria Praça da República foi assim batizada, já que antes possuía o nome de Praça da Matriz.

Braz Cubas

Na praça encontra-se o monumento construído em homenagem ao fundador da cidade, o fidalgo português Braz Cubas, que veio na expedição do colonizador Martim Afonso de Souza, em 1531, tendo sido o responsável pela transferência do porto santista, da região do atualmente bairro da Ponta da Praia, para o centro, perto do Outeiro de Santa Catarina, marco da fundação da Vila de Santos, ocorrida em 26 de janeiro de 1546. O monumento foi construído pelo artista italiano Lourenço Massa, com representações em bronze que simbolizam a Agricultura, Comércio, Indústria e a Navegação. Esculpida em mármore de Carrara, foi inaugurado em 26 de janeiro de 1908, com oito metros de altura, sendo que a estátua de Braz Cubas possui 2,50m. Na praça também se encontra a Alfândega de Santos.

Fonte: http://www.turismosantos.com.br/ptb/noticias/praca-da-republica-local-de-importancia-da-historia-de-santos


Alfândega

Até 1549, as rendas das Capitanias Hereditárias não eram cobradas regularmente, por falta de uma infraestrutura adequada, por isso, D. João III, rei de Portugal, determinou que se criassem no Brasil tantas alfândegas quanto necessário. Assim, quando Thomé de Souza aportou em São Vicente, em fevereiro de 1553, já encontrou estabelecida a Alfândega construída por Brás Cubas. Em Santos foi fundada em 1550, pelo provedor-mor da Fazenda Real, Antônio Cardoso de Barros, que também implantara a primeira, na Bahia, e a segunda, em São Vicente. Em fevereiro de 69, a Alfândega de Santos passou a se chamar Delegacia da Receita Federal, mas a antiga denominação ainda vigora nas conversas informais. O primeiro prédio a abrigar a Alfândega santista ficava próximo ao de agora.

Em 1570, com o desenvolvimento do bairro do Valongo, passou a funcionar em um casarão da praia (cais), em frente à atual Rua Riachuelo. Depois esteve em vários outros locais: um barracão na rua que atualmente corresponde à Frei Gaspar; o antigo Colégio dos Jesuítas, na atual Praça Antônio Teles, demolido em 1877; um quartel militar; e um prédio inaugurado em 1880 exclusivamente para seu funcionamento. Para a construção deste, o Tesouro Nacional firmou contrato em 1876 e os trabalhos foram supervisionados pelo engenheiro Manuel Ferreira Garcia Redondo, o mesmo que construiu o Teatro Guarani. Enquanto era erguido, a Alfândega permaneceu provisoriamente instalada em um armazém da Companhia Docas. Em 1930, tiveram início as obras do edifício atual, que já passou por ampla reforma em 83. À inauguração compareceram os então ministro da Fazenda, Artur de Sousa Costa, e da Viação (Transportes), Marques dos Reis.

Restauração

No dia 27 de março, o prédio de três pavimentos, localizado na Praça da República, com 13 mil m² foi reinaugurado, depois de três anos e três meses de reformas (as obras foram iniciadas em 1999). As mudanças foram consideradas um dos mais importantes processos de revitalização realizados no Centro Histórico de Santos.

Fonte: http://www.santos.sp.gov.br/comunicacao/historia/alfandega.html


Outeiro de Santa Catarina

É o marco da fundação da Vila de Santos – saber o lugar exato de sua fundação é um privilégio de poucas cidades do mundo. No século XVI, Luis Góis e sua mulher ergueram,  na base do pequeno morro, a Capela de Santa Catarina de Alexandria, junto à qual foi construída, em 1543, a primeira Santa Casa do País. Durante anos, o outeiro forneceu pedras para o calçamento das ruas e a ampliação do porto. Entre 1880 e 1884, o médico italiano João Éboli mandou construir uma casa acastelada no bloco de rocha que restou do monte. No local funcionou, até 2012, a sede da Fundação Arquivo e Memória de Santos.

Tel. (+55  13) 3202-1240

Fonte: http://www.turismosantos.com.br/ptb/guia-de-santos/locais/ir/atracoes-em-santos/centro-historico/outeiro-de-santa-catarina


Rua XV de Novembro

Antiga Rua Direita, era a mais importante de Santos, que na época áurea do café era conhecida como Wall Street Brasileira, ganhou mais encanto depois de restaurada. Nova iluminação e calçamento de época foram reconstituídos na reforma. Conta com restaurantes e cafés. Toda sexta-feira o programa certo é o “Música na XV”, happy hour de primeira em que se apresentam bandas musicais de MPB e Pop/Rock, a partir das 18 horas. Passando pela Rua XV, o morador mais desatento pensa que está de volta à primeira metade do século passado. No passado, o papo era basicamente a cotação do café, já que o produto era a grande fonte de riqueza da região; hoje em dia, as pessoas se reúnem para falar do cotidiano e relembrar os velhos tempos.

O Alegra Centro traz benefícios para a cidade, pois muito turistas que visitam Santos nos finais de semana fazem questão de conhecer o Centro Histórico. Tem uma boa infraestrutura e atrativos para essa região, o turismo só tende a crescer e a Cidade e toda a região são favorecidas.

Fonte: http://www.melhordesantos.com/2010/03/rua-xv-de-novembro.html


Passeio de Bonde

Com saídas da Praça Mauá, cinco bondes e um reboque circulam pelas principais ruas e edifícios do Centro Histórico, proporcionando uma verdadeira viagem ao passado, em um roteiro de 5 km. Há paradas para desembarque/embarque no Outeiro de Santa Catarina, marco da fundação da Vila de Santos, e no Palácio Saturnino de Brito, sede da Sabesp – deste ponto também é possível chegar ao Complexo Turístico do Monte Serrat, em cujo topo se tem uma visão de 360 graus da cidade. Ao todo, o passeio percorre 40 pontos de interesse turístico e histórico, com acompanhamento de guias de turismo.

Embarque: Estação Buck Jones, na Praça Mauá

Centro Histórico

Tel: (+55  13) 3201-8000, Disk Tour 0800 17 38 87

Funciona de terça a domingo, das 11h às 17h (Última saída. Venda até 30 minutos antes do encerramento)

Equipamento com acessibilidade para portadores de necessidades especiais

Funcionamento – Bonde regular:

Terça a sexta, das 11h às 17h (saídas a cada hora)

Sábados, domingos e feriados, das 11h às 17h (saídas a cada 30 minutos)

Roteiro: Saída Praça Mauá / Praça Rui Barbosa / Palácio Saturnino de Brito / Monte Serrat / Praça José Bonifácio / Rua General Câmara / Praça Mauá / Rua do Comércio / Valongo / Praça Barão do Rio Branco / Praça da República / Casa do Trem Bélico / Outeiro de Santa Catarina / Rua General Câmara / Retorno Praça Mauá. Duração de 40 minutos.

Funcionamento – Bonde Café:

Quinta e sexta, saídas às 14h30, 15h30, 16h30.

Sábados, domingos e feriados, das 11h20 e 16h20 (saídas a cada hora)

Roteiro: Saída Praça Mauá / Rua do Comércio / Valongo / Praça Barão do Rio Branco / Praça da República / Casa do Trem Bélico / Outeiro de Santa Catarina / Rua General Câmara / Retorno Praça Mauá. Duração de 25 minutos.

Agendamentos (Bonde regular e Bonde Café):

Pelo site http://www.egov1.santos.sp.gov.br/turismo ou pelo telefone (+55 13) 3201-8000, ramal 8053.

Saídas do Valongo:

Terça e Quarta, das 10h às 16h (saídas a cada hora)

Quinta e sexta, saídas às 10h, 11h e 12h

Valor: R$6, de acordo com o decreto nº 6871. Isenções para crianças de até 05 anos, guias de turismo a trabalho (acompanhados de grupo) e para viagens previamente agendadas. Meia tarifa para maiores de 60 anos e estudantes

Fonte: http://www.turismosantos.com.br/ptb/guia-de-santos/locais/ir/atracoes-em-santos/centro-historico/linha-turistica-de-bonde


Museu e Bolsa do Café

Criado em 1922 para abrigar a principal Bolsa de Café e Mercadorias do mundo – à época, Santos era a maior praça cafeeira do planeta – o prédio, com cerca de 6 mil m², é considerado um dos mais belos do município. A construção, com mais de 200 portas e janelas, abriga desde 1998 o Museu do Café, onde se encontra uma cafeteria, ponto de encontro de quem trabalha no Centro Histórico e visita obrigatória para os turistas.

A grandiosa Sala dos Pregões tem no teto o vitral ‘A visão de Anhanguera’, de autoria de Benedicto Calixto. Três imensos painéis do referido pintor enfeitam a parede do fundo; o maior, central, tem 153 figuras, representando a elevação de Santos à categoria de vila, de forma onírica, com a parte real nítida e o sonho do progresso no futuro, esfumado. Menores, os painéis laterais mostram a concepção do artista sobre a paisagem de Santos em 1822 e 1922.

Info.: (+55  13) 3213-1750 ou http://www.museudocafe.com.br

Fonte: http://www.turismosantos.com.br/ptb/guia-de-santos/locais/ir/atracoes-em-santos/centro-historico/museu-do-cafe


Santuário de Santo Antônio de Valongo

A pedra fundamental do santuário foi assentada em julho de 1640. Em estilo barroco, tem fachada com um dos mais expressivos trabalhos do século XVIII e importantes obras de arte. O terreno para a construção da igreja foi doado aos franciscanos por quatro proprietários de terras da Vila de Santos. Quarenta e nove anos depois, os franciscanos construíram a Capela da Venerável Ordem Terceira de São Francisco, anexa à igreja. Nessa capela está a imagem de São Francisco, em estilo barroco e tamanho real, orando diante de um Cristo místico alado. Seu altar-mor apresenta um dos único tronos rotativos do país – de um lado está uma raríssima representação da Santíssima Trindade e, do outro, um ostensório para Adoração Perpétua. No pátio encontram-se as imagens de Nossa Senhora da Conceição, de 1698, e da Padroeira dos Enforcados, onde os escravos condenados à morte costumavam rezar. O Sino dos Enforcados foi arrancado pelo povo quando da promulgação da Lei Áurea e está guardado na sacristia, junto com a imagem de Nossa Senhora da Conceição, do século XVII.

Em 1859, Irineu Evangelista de Souza, barão de Mauá, comprou parte do imóvel para a construção da estrada de ferro Santos-Jundiaí. O convento foi demolido, mas não houve força capaz de retirar a imagem de Santo Antônio do altar. O fato, considerado milagre, impediu o desaparecimento da igreja, elevada a santuário em 1987.

Tel.(+55  13) 3219-1481, Disk Tour 0800-173887

Fonte: http://www.turismosantos.com.br/ptb/guia-de-santos/locais/ir/atracoes-em-santos/centro-historico/santuario-santo-antonio-do-valongo

http://www.diocesedesantos.com.br


Museu da Pesca

Expõe diversos tipos de peixes, crustáceos, moluscos, aves e mamíferos marinhos taxidermizados, além de maquetes de embarcações. As principais atrações são o esqueleto de uma baleia da espécie Fin, a segunda de maior porte entre os cetáceos, com 23m de comprimento;e tubarões de diversos tamanhos e espécies raras.

Tel: (+55  13) 3261-5260 e 3261-5995

Fonte: http://www.turismosantos.com.br/ptb/guia-de-santos/locais/ir/atracoes-em-santos/orla/museu-de-pesca

http://www.pesca.sp.gov.br/museu.php


Almoço – Restaurante Massas Giani


Aquário Munícipal

Segundo parque público em visitação no estado de São Paulo, atrás apenas do Zoológico da capital, é um lugar de lazer, diversão, cultura e pesquisa, expondo centenas de espécies raras e curiosas da fauna aquática de diversas partes do mundo. São milhares de animais, de águas doce e salgada, que vivem em seu habitat natural reconstituído e fazem do lugar a atração mais visitada de Santos. Atrações à parte, a Fraldinha, o primeiro pinguim nascido em cativeiro no Brasil, e o leão-marinho, Abaré Inti, que encanta os visitantes.

Praça Luiz La Scala, s/nº

Bairro Ponta da Praia

Tel: (+55 13) 3278-7830

Fonte: http://www.turismosantos.com.br/ptb/guia-de-santos/locais/ir/atracoes-em-santos/orla/aquario-municipal


Praias – Orla

Principal cartão postal da Cidade, os 7 km de praias limpas são contornados pelo maior jardim de orla marítima (Guinness Book of Records, 2000), ladeado por uma ciclovia com cerca de 7.900m de extensão. Com 5.335m de comprimento e largura entre 45 e 50m, os jardins contam com 815 canteiros, com várias espécies do tipo perene, com predominância de lírios amarelos (Hemerocalis flava) e brancos (Spathipphiphyllum sp); biris vermelhos (Canna indica), e crisântemos brancos, amarelos e mesclados (Crysanthemum sp).

Coube ao engenheiro Saturnino de Brito a ideia da construção dos jardins, em 1914. Na década seguinte, começaram a surgir áreas ajardinadas em frente aos hotéis e nos anos 1930 foi construído o primeiro trecho dos jardins. Mas seu traçado atual, curvilíneo, data de 1960.

Equipamento com acessibilidade para portadores de necessidades especiais

Fonte: http://www.turismosantos.com.br/ptb/guia-de-santos/locais/ir/atracoes-em-santos/orla/orla-da-praia-e-jardins


Orquidário Municipal

Parque zoobotânico, o Orquidário de Santos abriga em seus 24 mil metros quadrados espécies nativas, aspectos da mata natural, arvores frutíferas e muitas orquídeas. Em meio a essa exuberância vivem cerca de 400 animais, entre eles pavões, cutias, saracuras e jabutis, que passeiam livremente pelo parque, fazendo a alegria de crianças e adultos. Completando o cenário, e em espaços próprios, há espécies raras, algumas ameaçadas de extinção. Atraídos por esse verdadeiro oásis, cortam o céu inúmeros pássaros que vivem em liberdade. Já no Viveiro de Visitação Interna, a proximidade com pássaros e aves oferece momentos inesquecíveis de total integração com a natureza.

Inaugurado em 1945, o Orquidário passou pela maior obra de revitalização de sua história, concluída em 2012. Ganhou entre outras atrações o herbário, laboratório de reprodução de orquídeas, jardim sensorial, trilhas do mel e de plantas que contam a história do Brasil, além de recintos de tucanos, rapinantes (como corujas), felinos e de primatas (bugios e macaco – aranha). Encante-se com tantas belezas, descubra seus próprios cenários, aprecie os sons da natureza, e aproveite cada minuto desse passeio em pleno litoral.

Info.: (+55 13) 3205-2210

Fonte: http://www.turismosantos.com.br/ptb/guia-de-santos/locais/ir/atracoes-em-santos/orla/orquidario-municipal


Relatório

Dados

Cidade visitada: Santos – SP

Guia de Turismo de local: Valéria Baptista Pinto

Veículo: Mimo Transportes

Motorista: Nunes

Participantes: Ana Lívia, Cristiane, Beatriz, Daniela, Denis, Diana, Gabriela, Guilherme, Leandro, Lucas, Priscila, Ricardo e Rosana.


A programação da viagem:

6h30 – Embarque e Saída

Durante o percurso obtivemos algumas informações sobre as vias de acesso, represa Billings e Guarapiranga, Serra do Mar, Parque Estadual da Serrão, cidade de Cubatão, São Vicente, Guarujá, Praia Grande, Mongaguá e Itanhaém.

9h – Chegada em Santos

9h30 – Início do city tour – recepção guia regional-  Centro Histórico

  • Outeiro de Santa Catarina – local de valor histórico, que representa início da cidade de Santos. Sua base em pedra foi utilizada para reformas no porto de Santos. Imóvel tombado e com reforma programada. 7/10
  • Casa do Trem Bélico – “trem” como expressão de coisa, local de armazenamento de armas e munição no início da cidade. Mais antigo prédio público da cidade. 6/10

1

  • Alfândega de Santos – Prédio imponente em funcionamento, representa o poder da União no que tange a regulamentação e tributação das importações, principalmente o do porto da cidade. 8/10

4.1

  • Monumento a Brás Cubas – Fundador da cidade de Santos, representa o início do projeto da cidade/região. 7/10

3

  • Rua XV Novembro – muito famosa na época áurea do café, local onde os mais ricos e influentes do país negociavam. 6/10
  • Bolsa do Café – prédio construído em 1920, assumindo a partir de 1922 o pregão da bolsa do café até 1980 quando a mesma é transferida para São Paulo. Atualmente é o Museu do Café, onde mantém toda a trajetória desde a chegada do café no Brasil até hoje. Possui também uma cafeteria que vende diversos tipos de cafés e doces. 10/10grupo bolsa cafe
  • Passeio de Bonde pelo centro histórico com intervenção do “Vovô sabe tudo”. #OBomdeSantos 10/10

7.4

  • Santuário de Santo Antonio do Valongo – igreja local oferecida a Santo Antonio com uma história particular de milagres do frei que morava no Santuário. 5/10
  • Porto de Santos – o maior porto da América Latina com armazéns específicos para todo tipo de mercadoria. 7/10

10.8

  • Jardim da Orla – o maior jardim da orla é de Santos, inclusive com menção no “Guiness Book” 9/10
  • Aquário Municipal – Por lá há várias especies de animais marítimos, entre eles, pinguins. 8/10

9 (6)

  • Museu da Pesca – de localização privilegiada oferece ao visitante uma vista panorâmica da orla com o deck dos pescadores, no seu interior diversos exemplares da vida marinha, o mais famoso é o esqueleto da Baleia Fin, que está no andar de cima do museu. Também possui o exemplar de todos os tipos de areia das praias brasileiras. 8/10
Por Diana
Por Diana

10.1 10.4 10.7

  • Deck dos Pescadores – Local construído para atender uma demanda local. No verão, com a chegada dos navios transatlânticos, o local fica apropriado pelos moradores locais se despedindo dos turistas, como no filme titanic. É um local apropriado para pescas também. 6/10

10

  • Orquidário de Santos – Local de beleza única, com mescla de mata atlântica e fauna local, muito agradável em virtude da umidade, sombra e animais soltos. Relembra muito o parque da água branca, encontrado em São Paulo. 10/10

11.1

CURITIBA PRÉ VIAGEM

Divisão atividades Curitiba

Saída de VCP as 6h05 pela CIA Aérea Azul, pelo avião 4081.

Chegada prevista para as 7h12.

Hospedagem no hotel “Terrazas Park Hotel”

Pontos. Fotos e Informações.

Jardim Botânico

botanico

     Seu principal cartão-postal é o Jardim Botânico, visita obrigatória para aqueles que passeiam pela cidade pela primeira vez. Mais de cinquenta espécies de plantas e flores são encontradas em meio a uma suntuosa construção em vidro e metal que embeleza ainda mais esse jardim geométrico composto também por esculturas e trilhas.


Largo da Ordem

largo da ordem

Museu Paranaense (SH)

     Fundado em 1876, teve várias sedes desde sua fundação. até ser transferido para a Praça Generoso Marques. Informações tel. (0xx41) 304-3300. Localiza-se na Rua Kellers, 289 Horário de visitação: terça-feira a sexta feira das 10h às 17h, sábado e domingo das 11h às 15h.

museu


Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito (SH)

    Consta como sendo a segunda igreja de Curitiba, construída por escravos em 1737. Era a igreja dos pretos de São Benedito. Com a abolição da escravatura, perdeu sua razão de ser, só sendo conservada por estar localizada junto ao caminho do cemitério. Passou a ser chamada a igreja dos mortos, onde os defuntos eram encomendados. Durante a construção da atual catedral de Curitiba, serviu de matriz (1875-1893). Seu estilo era originariamente colonial. Em 1931 foi demolida dado o seu péssimo estado de conservação. Em 1946, a nova Igreja do Rosário foi inaugurada. Em estilo barroco tardio, tem a fachada em azulejos, originais da antiga capela. Enfeitam suas paredes os passos da Paixão em azulejaria recente, em estilo português. Em sua entrada está o túmulo do Monsenhor Celso, pároco da cidade e cura da Catedral por 21 anos, falecido em 1931. Aos domingos às 8h é celebrada a Missa do Turista e Feirantes.

igreja


Memorial de Curitiba (SH)

   Com um projeto arquitetônico moderno e ousado, assinado por Fernando Popp e Valéria Bechara, o Memorial de Curitiba dispõe de três salas de exposições, um auditório e uma praça interna para eventos. Nesses espaços, o público tem oportunidade de estar em contato com a arte e a cultura, por meio de apresentações cênicas e musicais de diferentes gêneros, seminários, palestras, oficinas, congressos, lançamentos de livros, dentre outros eventos realizados periodicamente.
Espaço cultural para mostras e eventos alusivos à memória da cidade de Curitiba.

memorial


Casa Romário Martins

   Último exemplar da arquitetura colonial portuguesa, passou a ter essa denominação após sua restauração, numa homenagem ao historiador Alfredo Romário Martins. A casa deixou de ser moradia no início do século e manteve atividades comerciais até sua desapropriação em 1970, pela Prefeitura Municipal de Curitiba. Inaugurada como espaço cultural em dezembro de 1973, a Casa Romário Martins divulga e promove exposições históricas de responsabilidade da Diretoria de Patrimônio Cultural da Fundação Cultural de Curitiba. A área de exposições é de 34,04m2.

casa romario


Casa Vermelha GUILHERME (SH)

    A Casa Vermelha foi construída no final do século XIX, encomendada pelo alemão Wilhelm Peters. Na época, a região era conhecida como Páteo de São Francisco das Chagas e tinha como principais construções a Igreja da Ordem, o bebedouro e a Casa Romário Martins.

    Nas primeiras décadas do século XX foi sede da “Burmester, Thon e Companhia” e da União Comercial. Em 1916 passou a ser conhecida como “Casa Vermelha”, quando era propriedade de Eurico Fonseca dos Santos e seus sócios – no ano seguinte, a região passou a ser chamada de “Largo Coronel Enéas”, nome que se mantém até hoje.

     Em sua história, a Casa Vermelha foi tradicionalmente sede de empresas e comércios ligados ao ramo das ferragens e/ou residência. Em um dos apartamentos do balcão, por exemplo, viveu o maestro Luis Eulógio Zilli, autor do hino a Nossa Senhora da Luz dos Pinhais.

     No ano de 1993 a casa passou a ser um espaço da Fundação Cultural de Curitiba, integrado ao Memorial de Curitiba – que foi fundado em 1996. Lá eram realizadas apresentações teatrais, principalmente ligadas ao Festival de Curitiba, mas em boa parte do tempo a casa se mantinha fechada. Em 2014, após uma reforma, passou a fazer parte do Schwarzwald Bar do Alemão, um dos comércios mais tradicionais da região.

*Schwarzwald = Bosque Negro em alemão.
*Wilhelm Peters = Um curador alemão.
*Eurico Fonseca dos Santos = Informação não encontrada.

    A Casa Vermelha, localizada no Largo da Ordem, no Centro Histórico de Curitiba, permanece fechada na maior parte do ano, mas é espaço certo para abrigar peças do Festival de Curitiba. A estrutura da casa permite a montagem do cenário ideal para cada tipo de espetáculo. O local também conta com um mezanino com capacidade para 30 pessoas.

   Cabem 70 pessoas no local, e a casa abre apenas para eventos. Pagam meia entrada pessoas com menos de 14 anos, maiores de 60, doadores de sangue e professores.

vermelha


Igreja da Ordem Terceira de São Francisco das Chagas e Museu de Arte Sacra (SH)

   Construída em 1737, é a mais antiga de Curitiba. Seu nome original era Nossa Senhora do Terço, só mudado com o surgimento da Ordem de São Francisco em Curitiba, em 1746. Em anexo foi construído, em 1752, um convento que funcionou até 1783, dirigido por religiosos franciscanos. Em 1834/35 desabou o vigamento da Igreja, e apesar da reconstrução da parte desmoronada, continuou em péssimas condições e, mesmo assim com a chegada dos colonos poloneses, serviu-lhes de paróquia. Em 1880, com a visita do imperador D. Pedro II, foi promovida a restauração definitiva da igreja. A torre foi concluída em 1883 e os sinos doados pelos senhores da erva-mate. A partir de então, tornou-se sede da vida espiritual dos alemães, sendo os ofícios celebrados no idioma alemão até 1937. Estas reformas destituíram suas características arquitetônicas, originariamente coloniais, dando-lhe características indefinidas, com a torre lembrando o estilo mourisco segundo alguns ou neo-góticos, segundo outros, seu interior é colonial, apresentando um altar-mor folheado a ouro, talha barroca de princípios do século XVIII. A imagem de Cristo possui cabelos e os olhos são de vidro, numa expressão típica barroca. Foi tombada em 1965 e novamente restaurada no período de 1978/80, dentro de uma filosofia conservadora, marcando a autenticidade de nossa paisagem histórica. Anexo à igreja está o Museu de Arte Sacra, edifício que reúne alfaias resgatadas das quatro antigas igrejas da cidade, isto é, da Matriz de Nossa Senhora da Luz e Bom Jesus dos Pinhais, Nossa Senhora do Rosário dos Pretos de São Benedito, São Francisco de Paula e da própria Igreja da Ordem. O museu foi viabilizado em 1981 e compreende as duas salas de alfaias, a Capela do Encontro, a Capela Papal e a nave da igreja. Ambos, museu e igreja, estão no Largo da Ordem.

O Museu de Arte Sacra ainda passa despercebido por quem frequenta o Centro Histórico. Instalado no anexo da Igreja da Ordem Terceira de São Francisco das Chagas, o local apresenta um acervo com mais de 800 peças classificadas como objetos de culto, paramentos litúrgicos, obras raras, mobiliário, entre outras opções. Destaque para a imagem do Bom Jesus dos Pinhais, em terracota, datada de fins do século XVII.

Foi inaugurado em 12 de maio de 1981 e teve o acervo inicial recolhido pelos Arcebispos Dom Manuel Silveira D’Elboux e Dom Pedro Fedalto. Atualmente, o Museu de Arte Sacra também oferece um espaço para exposições itinerantes relacionadas ao contexto religioso.

igreja

museu


Praça Garibaldi  (SH)

   Antes de ser inaugurada, em 1946, com o nome de Praça Garibaldi, sua denominação primeira foi Praça Dr. Faria Sobrinho e, mais tarde Praça do Rosário. Está no Setor Histórico de Curitiba e abriga construções e monumentos que contam a historia da cidade. Exemplo disso é o Palacete Wolf, a Igreja do Rosário, a Sociedade Garibaldi, em estilo neo-clássico, a Igreja Presbiteriana Independente, um projeto do engenheiro Henrique Estrela Moreira de 1931, também em estilo neo-clássico, com decoração alemã no seu interior e a antiga “Mansão de Nhá França” construída em 1890 por Ignácio de Paula França e hoje transformada no Solar do Rosário.

   O busto de Monsenhor Celso, o Relógio das Flores, a Fonte da Memória, as Galerias de Arte e as Lojas de Antiguidades e de Artesanato completam o conjunto de estruturas ali existentes. Aos domingos acontece nesta praça a Feira de Arte e Artesanato, com antiguidades, esculturas, talhas em madeiras e cerâmica, vidro, couro, metal e outros, além de apresentações musicais e barracas com gastronomia típica.

praça g


Praça Tiradentes (Catedral Basílica Menor de Curitiba )

  É o marco zero da cidade, denominada Vila de Curitiba, mais tarde passou a ser Largo dea Matriz e Dom Pedro II. A partir de 1889 recebeu o nome de Praça Tiradentes, onde se encontram dois obeliscos, um demarca as distâncias e o outro significa a presença dos portugueses. O novo piso de vidro revela a descoberta recente de traços da cidade do passado.

  A Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Luz de Curitiba fica na Praça Tiradentes onde a cidade formalmente nasceu. É um dos mais importantes patrimônios culturais da cidade. Inspirada na Sé de Barcelona e construída em estilo neogótico, de 1876 a 1893, quando foi inaugurada. Inicialmente era uma pequena capela de madeira, que em 1715 foi elevada à Primeira Igreja Matriz.

praça t

Catedral_Curitiba_RotasdoPinhao_JR


Santuário de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

   O Santuário de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro é uma das principais e mais tradicionais referências da Igreja Católica de Curitiba e Região Metropolitana, reunindo também fiéis e devotos de municípios do interior do Paraná e de outros estados. O templo católico ganhou notoriedade com as Novenas a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, realizadas todas as quartas-feiras.

As novenas se iniciaram em 1960 na Capela Nossa Senhora da Glória – Avenida João Gualberto – com a chegada dos Missionários Redentoristas a Curitiba. Mas a grande procura da devoção motivou a construção de uma igreja maior (de 1965 a 1969). Com a inauguração do Santuário, em 1969, as celebrações passaram então a ser realizadas na Praça Portugal, bairro Alto da Glória. Em 2014 comemoraram 54 anos de Novenas a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em Curitiba.

pedreira


Rua das Flores e Boca Maldita

   Primeiro calçadão do Brasil, chega a ser considerado um grande shopping a céu aberto. Destaque para o trecho considerado tribuna livre, a Boca Maldita. A “Boca Maldita”, local de manifestações públicas pacíficas, é a continuação da Rua XV de Novembro entre a Rua Ébano Pereira e a Praça General Osório, denominada Av. Luiz Xavier, a menor avenida do mundo, e também palco de apresentações de Natal no prédio do Palácio da Avenida.

flores

papa


Palácio Avenida

  Localizado no centro da capital paranaense, o Palácio Avenida é um dos mais importantes edifícios históricos de Curitiba. Inaugurado em 1929, foi erguido pelo imigrante e comerciante sírio-libanês Feres Merhy, com projeto arquitetônico original de Valentim Freitas, Bernardino Assumpção Oliveira e Bortolo Bergonse.

  São cerca de 18 mil metros quadrados, que abrigaram cafés, como o folclórico Bar Guairacá, e o Cine Avenida, uma das primeiras salas de cinema da capital. A construção, quase que inteiramente degradada, foi recuperada e reaberta em 1991 pelo banco Bamerindus.

  Atualmente, sedia a principal agência curitibana do banco HSBC. O endereço também abriga o Teatro Avenida, com capacidade para 250 espectadores. Desde 1991, é tradicionalmente realizado nas janelas do Palácio Avenida um espetáculo natalino com coral de crianças e músicas típicas.

papa


Universidade Federal do Paraná e Teatro Guaíra

   É a primeira universidade do Brasil, fundada em 1912 e considerada um monumento arquitetônico em estilo neoclássico. Do outro lado da Praça Santos Andrade está o Teatro Guaíra, um dos maiores da América Latina. Foi inaugurado em 1884 em outo local com outro nome. Reconstruído em 1952, só ficou totalmente pronto na década de 70. Têm três auditórios, o maior deles com 2173 lugares e um painel em alto-relevo de Poty Lazzarotto na entrada principal.

ufpr

guaira


Visita a Torre da Telepar (Valor R$ 6,00) e informações Santa Felicidade GUILHERME

  Situada num ponto alto de Curitiba é também suporte de telefonia celular (OI). Inaugurada em 17/12/1991, o mirante de 109,5 metros permite uma belíssima visão panorâmica (360º) da cidade e dos contornos da serra do mar. O mapa no piso em relevo, localizamos com detalhes pontos da cidade, e desenvolvimento de Curitiba. No piso inferior, na entrada está o museu do telefone.

   Santa Felicidade é a primeira colônia de italianos de Curitiba, formada por imigrantes da região do Vêneto que chegaram ao Brasil em 1878. De suas tradições nasceram as atrações que caracterizam o bairro, como a grande quantidade de restaurantes típicos, as vinícolas e as lojas de artesanato e móveis de vime. A igreja centenária é uma marca da religiosidade dos italianos. A poucas quadras dela está situado o Cemitério de Santa Felicidade, com seu inédito panteão constituído por 18 capelas em estilo neoclássico e tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico. No bairro, merecem destaque por sua arquitetura a Casa dos Gerânios, a Casa dos Painéis, a Casa das Arcadas e a Casa Culpi.

torre

sf


Parque Tingui e Memorial da Imigração Ucraniana

     Encontra-se numa faixa de preservação junto ao Rio Barigui desde 1994, o nome é uma homenagem aos nativos que habitavam a região de Curitiba. Um ano mais tarde foi inaugurado o Memorial Ucraniano, a construção segue as normas da religião ortodoxa, como cúpula oitavada revestida em cobre, com as faces representando os quadrantes do entendimento humano, o altar voltado para o leste e o telhado em dinho, a qual seu interior abriga exposição da Igreja de São Miguel, na Serra do Tigre em Malet.

tingui

papa


Bosque Zaninelli  & Universidade Livre do Meio Ambiente

   Inaugurado em 1992 pelo oceanógrafo francês Jaques Costeau, ao meio de muito verde do bosque, a UniLivre do Meio Ambiente mantém um espaço de estudos e conhecimentos sobre o meio ambiente e a ecologia. A construção de material rústica na forma e cores lembra os quatro elementos da natureza: Ar, água, fogo, terra.

unilivre


Bosque Alemão

     O Bosque do Alemão é mais um dos pontos turísticos próprios de uma das etnias formadoras da população local. Recomenda-se uma visita ao local após as 16h00, quando o sol começa a baixar e graças à sua localização em um dos pontos mais altos da capital pode-se ter uma das mais lindas vistas da cidade. Uma réplica da Catedral de Bach é encontrada no bosque onde também é possível experimentar o legítimo apfelstrudel alemão.

alemão


Ópera de Arame e Pedreira

   Com estrutura tubular e teto transparente, a Ópera de Arame é um dos símbolos emblemáticos de Curitiba. Inaugurada em 1992, acolhe todo tipo de espetáculo, do popular ao clássico, e tem capacidade para 1.572 espectadores. Em meio a lagos, vegetação típica e cascatas, faz parte do Parque das Pedreiras juntamente com a Pedreira Paulo Leminski, que desde 1989 é cenário para a encenação da Paixão de Cristo e outros grandes eventos. A Pedreira pode abrigar, ao ar livre, 20.000 pessoas.

opera

pedreira


Farol do Saber

    Os Faróis do Saber são bibliotecas comunitárias existentes em vários bairros de Curitiba. Funcionam em apoio às escolas municipais e como pontos de referência cultural e de lazer para a comunidade.

   No total, são 45 faróis. O acervo referencial é de cinco mil livros e alguns incluem acesso gratuito à Internet banda larga. O primeiro foi inaugurado em 1994, em Vista Alegre.

   A construção é modular, em estrutura metálica. Em geral, são 88 m² de área construída e a torre tem 10 metros de altura. O nome tem inspiração no antigo Farol e na Biblioteca de Alexandria.

farol


Bosque do Papa (João Paulo II)

   Memorial da Imigração Polonesa, criado em dezembro de 1980. Local este que antigamente havia uma fábrica de velas estearina. As sete casas de troncos que compõem o memorial, são lembranças vivas de fé e da luta deste povo. A casa típica, ao casa do artesanato, a capela no seu interior encontramos a Virgem Negra de Czestochowa, o museu e na trilha um busto do Papa João Paulo II.

papa


Info. Centro cívico – Museu Oscar Niemeyer GUILHERME

  Mais conhecido como o Museu do Olho, no Centro Cívico, onde é possível conferir exposições de arte fixas e itinerantes, ou até mesmo fazer um piquenique ao ar livre, como é costume de muitos curitibanos.

O MON, como é conhecido, é um dos maiores museus da América Latina. Seu acervo abriga mais de 2.200 obras de artistas reconhecidos nacional e internacionalmente. Projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer, sua estrutura de 35 mil m² se destaca entre 144 mil m² de área verde. O complexo é formado pelo prédio principal, projetado em 1967, e o novo anexo, concebido em 2001 e inspirado na araucária, árvore de grande porte e símbolo do Paraná. A forma elíptica e as paredes de vidro desse novo anexo conferiram ao MON o carinhoso e popular apelido de “Museu do Olho”.

oscar n


Parque Tanguá

   Inaugurado em 1996, faz parte do projeto de preservação do Rio Barigui, juntamente com o Parque Tingui e Barigui. Destacam-se no parque duas pedreiras, unidas por um túnel de 45m, que pode ser atravessado a pé por uma passarela sobre a água. Possui pista de cooper, ciclovia, mirante, lanchonete e o Jardim Poty Lazzarotto. Considerado um dos melhores locais para apreciar o pôr do sol em Curitiba.

bosque


LUAU O2 será o By Night.

Aqui.


PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

UM SABOR BIPOLAR!

A culinária brasileira é uma mistura de cultura e ingredientes de índios, africanos, e europeus. Devido às grandes dimensões, e histórias um pouco diferentes quanto ao processo de colonização, as diversas regiões brasileiras possuem algumas diferenças marcantes e pratos típicos exclusivos. 

Ao me comunicar com a família que vive no exterior, a primeira coisa que eles se recordam ao falarem do Brasil, sem nenhum dúvida NÃO sou eu, infelizmente… Ou felizmente! Eles pensam na comida. A boa comida a moda brasileira. Brigadeiro, coxinhas, a tapioca, a feijoada, requeijão, a pizza que, segundo eles não existe igual…  eles pensam em uma cultura gastronômica rica para todos os gostos, comidas salgadas ou sobremesas doces.

Claro que, sou brasileiro, mas não é por isso que como essas delicias todos os dias. Não é bem assim, eu tenho uma bipolaridade em meu prato em todo santo almoço. Um marrom e branco, o arroz com feijão, em um estilo colonial. Mas não é só isso, no bom e rico prato vai de tudo, um pedaço de carne, vegetais, legumes, e é uma delicia encher o bucho dessa forma.

Cada região tem a sua especialidade! No Norte por exemplo, devido as florestas, rios e influência indígena, predominam as frutas, peixes e a mandioca. No Nordeste, o cocô que veio da Índia, o dendê, as buchadas de bode, os frutos do mar, o sururu! No Centro-Oeste, devido os grandes rebanhos de gado bovino há predominância dos pratos de carne, bebida com erva-mate, aves e caça do Pantanal, além do pequi, fruta do cerrado usada em vários pratos da região. Descendo um pouco mais, chegamos ao Sudeste, devido a sua característica cosmopolita há todos os sabores do mundo. No Rio de Janeiro, pode-se citar como típico a feijoada carioca, já em São Paulo o cuscuz-paulista domina. Em Minas Gerais, que tem uma rica e variada culinária, Tutu de feijão e carne de porco, sem contar as delicias derivadas do leite. No Espírito Santo, é muito famosa a moqueca capixaba. E se descermos ao Sul, por conta da imigração, há muita influência da cozinha italiana e alemã, entre outras. Com uma base em carnes, e lá, existe o mais famoso churrasco de todo o mundo, sem esquecer do delicioso chimarrão!

Quem mora longe do país não desmente, uma das coisas que mais faz falta é a comida que não nega a raça miscigenada que somos. Uma mistura que trás um pouco de tudo, dos nativos, dos europeus, africanos, e porque não, dos asiáticos… aqui tem de tudo. Venha para o Brasil e descubra. A cada passo que você dá, uma delicia diferente vai encantar a sua vida.

QUEEN + ADAM LAMBERT NO ROCK IN RIO 2015!

Finalmente chegou! Chegou! chegou! chegou!

Foi lindo! Foi mágico! Foi épico! E em alguns momentos, chegou a ser surreal. Quem viu a apresentação do Queen no Rock In Rio na madrugada de sexta para sábado sentiu um mix de emoções que há muito tempo não viamos no festival.

Adam Lambert – alguém ainda consegue se lembrar dele como um ex-American Idol? – deu conta do recado. Sentimos saudades do Freddie? Sem dúvidas! Mas isso tirou o brilho do show? No way!

As 2:30 de apresentação da banda no festival deixou o público – tanto o que estava lá, como o que via de casa – desconfiado, animado e eufórico. Exatamente nessa ordem. Não teve como ficar “whatever” em relação ao show de Queen + Adam Lambert no Rock In Rio.

Adam cumpriu o seu papel em, nem de longe, tentar imitar o eterno líder da banda, que morreu em 91. Já os veteranos do Queen, bem… é o Queen, né? Brian May e Roger Taylor. Dispensa comentários!

Com um setlist recheado de hits que passou por “Stone Cold Crazy”, “Killer the Queen” e a sequencia “Don’t Stop Me Now” + “I Want To Breake Free” + “Somebody to Love“, fez todo mundo cantar e lembrar de grandes sucessos. “Love Of My Life” trouxe Brian May na ponta da passarela e um momento maravilhoso: a projeção de Freddie cantando no telão e o público do Rock In Rio repetindo o mesmo feito em 85, todo mundo cantando junto e ninguém conseguindo conter a emoção.

Who Want`s To Live Forever” é outro momento especial o show em que Adam, logo depois de conquistar o público que parecia desconfiado no começo, consegue mostrar todo o seu talento vocal. “Ghost Town”, música solo do cantor, é outro momento de destaque em que ele faz a gente se apaixonar um pouquinho mais.

Para finalizar o show com chave de ouro, “Bohemian Rhapsody”, “Radio Ga Ga“, “Crazy Little Thing“, e a dobradinha épica de final de show “We Will Rock You” e “We Are The Champions” fecham o show com a sensação de que a gente poderia facilmente assistir mais duas horas de Queen + Adam Lambert sem reclamar.

©

¿ERES TÚ O QUIEN ESPERAN QUE TÚ SEAS?

Alguna vez te has preguntado ¿quien eres?
o te has cuestionado tu propia existencia “¿quién soy yo y qué hago aquí?
Puede sonar muy complicado o difícil de entender pero al final significa conocerse a uno mismo como también ser consciente que eres un ser humano que tiene sentimientos, emociones, y puede tropezar para aprender. Sin embargo vivimos en un mundo donde el valor de ser único y diferente se ha vuelto poco aceptable a nuestro alrededor gracias a los parámetros que son considerados
convenientes para encajar en cualquier grupo social. Por lo que ahora podemos definir que estos parámetros impuestos son tantos formas de vestir, comportamientos, e incluso que tanto posees a lo que podría dominar como estilo.
Para una mejor comprensión de lo dicho anteriormente, pondré un ejemplo sencillo cuyo caso es mío, cuya ventaja será conocer un poco más de su escritora:
Mi nombre es Aura Carolina, pero prefiero que me digan Caro o Carol, soy una chica que es consciente tanto de su existencia como  ser humano y de las cosas que puede lograr lo que se proponga, aunque el camino no sea fácil y tenga que pasar por varias piedras; sé que me puedo equivocar ( no me gusta equivocarme), tropezar, caerme y aún así me levanto, sigo caminando en cuyo proceso de vivir aprendo algo nuevo y hacen de mí una persona que desea superar sus propias expectativas, y seguir siendo ella misma.
Al definir quien soy yo, para la sociedad el amor propio que siento por mí misma lo pueden etiquetar como egoísta o como una mujer puede pensar de esa manera ( llegan a decir que una mujer que lee es peligrosa), es algo que corrompe la imagen de la mujer ( en el mundo oriental), y en el mundo occidental apoyan el desarrollo personal tanto de la mujer como del hombre, dándoles las mismas oportunidades de superarse y ser mejores.
La primera impresión: Hay personas que pueden verte y pensar ” Él/Ella se ve presumida, chocante, creída, y después de conocerlo o conocerla dicen”Cuando te vi pensé que eras de tal forma, pero ahora veo que no eres creído/a”. Con ésto, nos damos cuenta que al ver lo superficial, no sabemos nada de la persona, es lo mismo cuando nos preguntamos quiénes somos, qué queremos, para qué estamos, qué estamos haciendo entre otras interrogantes.
Se preguntarán ahora ¿el amor propio que tiene ver o porque lo mencionas tanto?
Lo menciono tanto, porque cuando sabemos valorarnos y estamos seguros por lo que luchamos día con día, nos volvemos consciente de que somos seres humanos; tenemos sentimientos, razonamos, nos equivocamos, aprendemos, y es aquí cuando puedes responder preguntas filosóficas como ¿Quién eres?, cada aspecto de tu vida mejora, y sobre todo compartir ese amor que manifiesta en tu persona ( física y mental) y compartir tus aprendizajes, experiencias con personas que la necesiten o formen parte de tu vida.
El amor propio tiene que ver mucho con lo que escribí anteriormente, porque en muchas ocasiones dejamos que otras personas decidan por nosotros empezando con “No sé que blusa comprar” ,”Mamá/Papá, no sé que quiero estudiar”, y muchas de las veces nos llevan a caer en un abismo que no nos permite levantarnos, por lo que algunas veces es bueno “revelarse” para demostrarte a ti mismo y a los demás de que estas hecho.

VOZES CALADAS

Podemos dizer que a ditadura na América do Sul, no período de guerra fria, foi um dos momentos mais sombrios das últimas décadas. Aqui no Brasil não foi diferente. Pessoas torturadas, sequestradas e assassinadas… Mas você acha que a ditadura começou em 1964?

A crise já vinha desde 1929, com a queda da bolsa de valores de Nova York tudo veio à tona, a inflação, a queda da economia do café, as crises da politica café com leite, que resultou em um governo “provisório” do gaúcho nacionalista Getúlio Vargas. Com reformas em seu governo “provisório”, Vargas ficou no poder durante 15 anos, com isso veio o incentivo ao rádio, diversas leis de censura às mídias (como o Departamento de Imprensa e Propaganda – o DIP -), direitos a trabalhadores, e leis um tanto quanto confusas, como a lei de destombamento. O presidente renunciou em 1945, e depois voltou anos mais tarde. Em 1951 o presidente voltou ao seu cargo em eleições diretas, e 3 anos mais tarde, se suicidou (ou foi morto?). [Confira aqui, a carta dele]

Não vem ao caso. O que importa, é o presidente que chegou em 1961, João Goulart e suas ideias socialistas em uma guerra fria.  A crise política se arrastava desde a renúncia de Jânio Quadros em 1961. O vice de Jânio era João Goulart, que assumiu a presidência num clima político adverso. O governo de João Goulart (1961-1964) foi marcado pela abertura às organizações sociais. Estudantes, organização populares e trabalhadores ganharam espaço, causando a preocupação das classes conservadoras como, por exemplo, os empresários, banqueiros, Igreja Católica, militares e classe média. Todos temiam uma guinada do Brasil para o lado socialista. Vale ressaltar, que neste período, o mundo vivia o auge da Guerra Fria.

Então, no dia 1 de Abril de 1964, João Goulart foi deposto e teve de fugir para o RS, e, em seguida, para o Uruguai. Desta maneira, o Chefe Maior do Exército, o General Humberto Castelo Branco, tornou-se presidente do Brasil. Com o auxilio dos Estados Unidos da América, e da operação Brother Sam, o país foi tomado por armas militares que chegaram direto do bloco capitalista (aviões, soldados, jipes, navios).

A ditadura trouxe consigo, a censura que Vargas pregou em seu primeiro mandato, o DIP. Músicos que protestavam contra o regime militar e a violência imposta por eles. Quem ousava dar de frente contra a ditadura recebia o “devido” castigo, eram torturados. Músicos perdiam suas ferramentas de trabalho, compositores levavam aquela surra que ninguém consegue esquecer, alguns tinham até a família caçada.

Muitos morreram ou sumiram com as perseguições, isso é fato. E Raul Seixas, na música Mosca na Sopa, cita de forma metafórica que, por mais que os militares matem, a espécie continua.

“…Pois você mata uma, e vem outra em seu lugar”.

Foi cruel, quem mais se manifestava pelo povo se reprimiu pelo medo, as músicas acabaram sendo cantadas por vozes caladas. Os militares destruíram duas gerações, em 30 e 60, eles “pintaram para lhe abusar”, com seu instinto primitivo de destruição em massa financiado por um país tão fraco mentalmente, que, mesmo fazendo diversos atentados terroristas diariamente contra o mundo, diz que o pior deles foi a queda de duas torres que eles mesmo causaram apenas para ter um motivo para investir em armamentos. (inocentes). Há muitos que vão as ruas pedindo uma nova intervenção militar, e eles são tratados com respeito. Agora, muitos também vão às ruas pedirem respeito, e são tratados como se estivessem em uma ditadura.


FOTOS DA VISITA TÉCNICA

Grupo
Grupo
Memorial da Resistência Pinacoteca
Memorial da Resistência
Pinacoteca
Controle, Repressão, Resistencia
Controle, Repressão, Resistência
Um dos quartos onde a
Um dos quartos onde a “oposição a ditadura” ficava.

11037554_1656793047866068_6175111841206872687_n

Meus amores.
Meus amores.
WP_20150913_009
Pegaram o meu bebê, para me ameaçar!

WP_20150913_008

Vanderley!
Vanderley!
Guilherme!
Guilherme!
O Cravo Vermelho. que foi distribuído para todas as celas.
O Cravo Vermelho.
que foi distribuído para todas as celas.

QUER MAIS DA DITADURA?

Conhecendo Museus

SuperInteressante Jogo

Mitos da ditadura

De Volta a 1964

Ditadura do Estado Novo

Trabalho de História

MUSICA DO DIA

Olá, monstrinhos!

Hoje o música do dia será um pouco diferente, pois terá referência ao post de amanhã (17). Se trata sobre a era de ditadura e de um mito chamado Raul Seixas.


Eu sou a mosca que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar
Eu sou a mosca que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar
Eu sou a mosca que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar
Eu sou a mosca que perturba o seu sono
Eu sou a mosca no seu quarto a zumbizar
Eu sou a mosca que perturba o seu sono
Eu sou a mosca no seu quarto a zumbizar
E não adianta vir me dedetizar
Pois nem o DDT pode assim me exterminar
Porque você mata uma e vem outra em meu lugar
Eu sou a mosca que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar
Eu sou a mosca que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar
Atenção, eu sou a mosca
A grande mosca
A mosca que perturba o seu sono
Eu sou a mosca no seu quarto
A zum-zum-zumbizar
Observando e abusando
Olha do outro lado agora
Eu tô sempre junto de você
Água mole em pedra dura
Tanto bate até que fura
Quem, quem é?
A mosca, meu irmão
Eu sou a mosca que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar
Eu sou a mosca que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar
E não adianta vir me dedetizar
Pois nem o DDT pode assim me exterminar
Porque você mata uma e vem outra em meu lugar
Eu sou a mosca que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar
Eu sou a mosca que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar
Eu sou a mosca que perturba o seu sono
Eu sou a mosca no seu quarto a zumbizar
Eu sou a mosca que perturba o seu sono
Eu sou a mosca no seu quarto a zumbizar
Mas eu sou a mosca que pousou em sua sopa…

CANÇÃO: MOSCA NA SOPA

CANTOR: RAUL SEIXAS

COMPOSIÇÃO: RAUL SEIXAS


VÍDEO

https://www.youtube.com/watch?v=fi2vh_uP3Rk


ANÁLISE

  A musica faz analogia ao período da ditadura, pois a mosca é o povo que estava sofrendo. Já a sopa são os militares. Quando ele diz

Eu sou a mosca que pousou na sua sopa, eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar.

Ele quer dizer que, por mais que os militares queiram repreende-los, eles continuarão lá para tentar mudar o quadro politico da época.

E no trecho

E não adianta vir me dedetizar
Pois nem o DDT pode assim me exterminar
Porque você mata uma e vem outra em meu lugar.

Ele quis dizer que por mais ele tente matar o povo, (o que acontecia muito na época) sempre aparecerá mais gente para continuar a luta em busca de mudanças.